terça-feira, 9 de junho de 2009

Demais

Estou vivendo dias daqueles em que minha mente simplesmente está longe, bem longe. Num lugar que até mesmo eu desconheço..rs
Nunca pensei em desistir de algo, mas no inicio da semana pensei nisso. Talvez não seja desistir mas sim mudar, virar o jogo e dar o troco.
Me cansei de viver os sonhos dos outros, preciso viver os meus, com o passar dos anos fico mais velho e a cada momento percebo grande evolução dentro de mim. Novas ideias com perspectivas que jamais pensei ter um dia. Diante de todos os acontecimentos, parece até um aviso ou pedido pra mudanças. Não compreendo mais o pensamento de alguns. Agora pouco mesmo um caso muito interessante me chamou atenção. Até onde uma brincadeira se torna de mau gosto ou seria prejudicial a alguém a ponto de manchar uma amizade? Imagino eu que amizade vem de ser amigo, e amigo "meu amigo" é amigo. E claro colega é aquele que você vê as vezes ou até "tromba" na escola ou nas ruas da cidade. Se fossemos levar com grande importância uma brincadeira de amigo não teríamos mais amigos assim penso. Quando temos culhão pra brincar com alguém, ao mesmo tempo devemos ter culhão pra aguentar o troco, imagino que todos estejam de acordo até aqui, mas (but) e quando você faz e recebe o troco e simplesmente se sente prejudicado ou não aguenta esse seria o ponto verdadeiro do assunto? O que fazer? Se caso o autor da brincadeira realmente for seu amigo o negócio é ser sincero e pedir pra não continuar pois se sentiu incomodado com a brincadeira. Tenho em mim que se tratar realmente de amizade como amigo devemos o respeito e claro iremos parar na hora.
Bom não seria eu o dono da verdade pra dizer quem realmente errou. Pois da mesma forma que um fez o outro deu troco, aliás um belo troco..rs
Se realmente fossem ou forem amigos, existe uma forma bem mais simples de resolver isso sem envolver "violência física" e muita polémica..
Pra hoje valeu aquela frase antiga de autor desconhecido por mim.

Quem sabe brincar brinca, quem não sabe ...........

Laerte-se

Há muito já havia visto a divulgação do documentário da Laerte. Num primeiro instante não me chamou muito atenção por compreender o conte...