segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Lá pelos vinte e tantos....


Lá pelos vinte e tantos percebemos, bom, pelo menos eu percebo, que a vida é sim um grande aprendizado. O tempo passa e vida muda e nada será do mesmo jeito. Nesse tempinho que tenho de vida aprendi, e confesso que demorei pra aprender a deixar as lamentações de lado.  Não se deve lamentar jamais, lamentações não mudam situações. O que foi feito, foi feito e o que foi decidido, foi decidido. Aprendi que temos tempo para evitar lamentações, é só parar e pensar, antes, claro.  Há algum tempo venho praticando o pensar, antes de tomar qualquer decisão, antes de falar, eu paro e penso na causa e efeito. Quando estou do outro lado da situação, considero da mesma forma.

Nesses vinte e tantos, não se dizer se fui trocado de lugar, ou se coloquei algumas pessoas no lugar errado. Sou do tipo de pessoa que valoriza muito o outro, independente de quem seja. Todos merecem respeito e atenção. Não acho justo menosprezar o outro na presença física. Uso o termo menosprezar porque se você cumprimenta várias pessoas e evita alguma por não “conhecer” é má educação de sua parte porque falar um simples “oi”, não vai mudar sua vida, e note nem é necessário ter intimidade, só é necessário ser educado, mas ainda assim respeito quem não faz mesmo porque ninguém é obrigado ser social.  
Nesses vinte e tantos aprendi o real significado de “seleção”, na vida é necessário ser seletivo, nas amizades, intimidades, no amor, na diversão, enfim, no que tange relacionamentos. 

Aprendi também que muitos não fazem a mínima questão, algumas pessoas só te querem ao lado se você servir ou oferecer algo em troca. Muitas vão caminhar ao teu lado por um longo tempo e do dia pra noite, você vai cruzar com essa mesma pessoa que vai te olhar da cabeça aos pés e fazer questão de fingir que nunca viu você na vida.
Fingir, ai está um comportamento medíocre de alguns humanos. Talvez esse seja meu defeito, ou uma qualidade quem sabe. Não sei fingir, eu tento, mas não possuo essa habilidade. Percebo que muita gente vive apenas o presente, elas acordam e vivem hoje, e pra viver o amanhã, elas precisam apagar o hoje. Qualquer pessoa que sabe o mínimo sobre a vida tem capacidade para entender que somos feito do mesmo, que sentimos o mesmo misto de emoções.

Nesses vinte e tantos, notei que meus amigos continuam meus amigos, que tenho uma família maravilhosa, que tenho uma pessoa ao meu lado que me cuida, dá carinho e atenção, sabe me buscar quando nota que estou percorrendo por um caminho que não pertenço, que me acalma e principalmente, me ama de verdade, do jeito que sou. Que entende meu silêncio nas horas de impaciência, que eu detesto que fale comigo quando estou lendo ou vendo TV. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Meus amigos, sempre estão ao meu lado, não preciso falar nomes, eles são demais e bem sabem o quanto os prezo e admiro.

Nesses vinte e tantos, aprendi que pra ter uma vida incrível, não é necessário ter esse tudo que tanto nos fazem imaginar. Basta viver pelo necessário, respeitar e amar sua família, honrar seus princípios, ser honesto sempre, nunca faltar com a verdade. Ser educado e gentil, amar de verdade quando disser que ama.
E o principal, aprender que você está aprendendo, muito cuidado com acreditar que possui o saber absoluto, é sempre necessário rever, voltar, analisar se necessário mudar. 

Laerte-se

Há muito já havia visto a divulgação do documentário da Laerte. Num primeiro instante não me chamou muito atenção por compreender o conte...