quinta-feira, 29 de março de 2012

Para onde estamos indo?

Estamos à beira de um colapso total na sociedade, estou falando sério mesmo. Tudo está rápido demais, tudo está correndo e não estamos calculando os prejuízos que esse comportamento traz. Tudo é para ontem, tudo já está milimetricamente calculado. Não podemos atrasar, não podemos cometer erros. Já não há tempo para o tempo. Pais já não tem tempo para serem Pais, crianças já não são mais crianças, onde estão às avós de hoje?  Mudamos tudo drasticamente para atendermos exigências criadas por nós mesmos para não se sabe o quê.

Perguntas que não fazemos: Para onde estamos indo com tanta pressa e para quê? O que queremos, por que queremos? Isso nos tornará melhores? Dias atrás lendo um livro de filosofia, Nietzsche para ser mais exato. Uma passagem me fez parar e refletir profundamente. Vou reproduzir o texto da passagem e espero não ser notificado pelo blogger, muito menos por qualquer entidade de direitos autorais.

“Mesmo diante do progresso extraordinário do homem diante da ciência e de seu quase total domínio diante das ciências naturais. Estabelecendo assim seu quase total controle da natureza. Suas realizações não parecem ter aumentado à quantidade de satisfação no que diz respeito à felicidade.”

Além do bem e do mal – Nietzsche

Após a leitura dessa passagem, passei a observar tudo com mais detalhes e tive a nítida impressão de que estamos correndo com muita velocidade para o nada, estamos indo sem rumo. E esse vício só cresce, e pior, estamos transferindo para as crianças e jovens. Não podemos adulterar a percepção que as crianças têm do mundo para que elas atendam uma necessidade que desconhecemos seu propósito.
Quando estou indo para o curso, tenho costume de ficar próximo à avenida e ficar vendo os carros passarem e aproveito para observar as pessoas. As expressões são as mesmas e mais medonhas possíveis. Muita gente estressada, muita gente sem paciência, com pressa e de “saco” cheio. Vale ressaltar que o texto reproduzido acima é de 1886. É a prova incontestável de que mesmo diante de todo domínio frente à ciência e tecnologia continuamos no mesmo estágio no que diz respeito à felicidade.

Estamos fazendo errado, estamos na pilha sem ao menos saber por que e para quê. Não há necessidade para tanta correria. Desenvolvemos um sistema de botar culpa em tudo, menos em nós mesmos. Devíamos reconhecer nossa culpa, nós criamos, moldamos e estamos desenvolvendo o mundo. Esse desenvolvimento não é de nós para o meio, mas sim do meio para nós. Estamos danificando nossa mente e destruindo o meio em que vivemos para satisfazer nossos pífios e egoístas desejos com pensamento de que somos donos e controladores de tudo. Pressão somada ao alto nível de estresse são os fatores determinantes para desencadear intolerância, agressividade excessiva, que incluímos falta de educação e respeito e demais comportamentos inadequados.

Proponho o dia do nada, este será o dia em que seremos nós, apenas humanos. Mas este tema será do próximo post.

Quer uma dica?

Desacelere, vá com calma. Talvez o grande motivo da já tão falada crise contemporânea que já temos e continuaremos a ter de depressão, seja causada por está busca desenfreada por nada. Apenas viva intensamente e aproveite ao máximo.

“Mais do que máquinas precisamos de humanidade” – Chaplin
“O homem é o câncer da natureza” – Millôr Fernandes

"Sonhos parecem ser reais quando estamos neles, só quando acordamos que percebemos que algo estava estranho."

Filme A Origem








quarta-feira, 28 de março de 2012

Imagem

Fantástico.



Luminária porta livros. Aí está mais uma sugestão para presente, podem me presentear que vou amar. hahahaha


Millôr Fernandes

Vá em paz...


Frases marcantes do mestre Millôr:

“Fiquem tranquilos os poderosos que têm medo de nós: nenhum humorista atira pra matar.”

“O cadáver é que é o produto final. Nós somos apenas a matéria prima.”

“O homem é o único animal que ri. E é rindo que ele mostra o animal que é.”

“Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.”

“Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem.”

“O otimista não sabe o que o espera.”

“Eu também não sou um homem livre. Mas muito poucos estiveram tão perto.”

“Nunca ninguém perdeu dinheiro apostando na desonestidade.”

“Brasil, condenado à esperança.”

“Brasil; um filme pornô com trilha de Bossa Nova.”

“Todo homem nasce original e morre plágio.”

“O dedo do destino não deixa impressão digital.”

“Sabemos que VOCÊ, aí de cima, não tem mais como evitar o nascimento e a morte. Mas não pode, pelo menos, melhorar um pouco o intervalo?”

"Repito um velho conselho, cada vez mais válido, sobretudo pro Congresso: Quando alguém gritar “- Pega ladrão”, finge que não é com você"

" Quando os eruditos descobriram a língua, ela já estava completamente pronta pelo povo. Os eruditos tiveram apenas que proibir o povo de falar errado".

"A infância não, a infância dura pouco. A juventude não, a juventude é passageira. A velhice sim. Quando um cara fica velho é pro resto da vida. E cada dia fica mais velho."

"Não devemos odiar com fins lucrativos. O ódio perde a sua pureza".

"Um Homem só é completo quando tem família; mulher e filhos. Desculpe: completo ou acabado?"

"Deus é realmente um ser superior. Não há nada nem parecido no Governo Federal".

"Prudência: E devemos sempre deixar bem claro que nenhum de nós, brasileiros, é contra o roubo. Somos apenas contra ser roubados".

"Feliz é o que você percebe que era, muito tempo depois".

"Aprenda de uma vez: Se você acordou de manhã é evidente que não morreu durante a noite. A felicidade começa com a constatação do óbvio".

"Nem só comer e coçar é questão de começar. Viver também".

"Os ateus têm um Deus em que nem eles acreditam".

"O melhor do sexo antes do casamento é que depois você não precisa se casar".

"Tudo na vida tem uma utilidade - se não fosse o mau cheiro quem inventaria o perfume?"



terça-feira, 27 de março de 2012

Podemos mudar o mundo


"Pense sobre as gerações e elas dizem:
Nós queremos fazer deste mundo um lugar melhor
Para nossos filhos
E para os filhos dos nossos filhos.

Para que eles vejam
Que este é um mundo melhor para eles
E saibam que podem
fazer deste um lugar ainda melhor"




E depois me perguntam porque sou fã do Michael Jackson.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Eu Quero

Para quem aprecia uma leitura durante a madrugada, aí está a solução. Fica a sugestão para presente de aniversário, viu.


Monólogo - Mundo Moderno

Mundo moderno, marco malévolo, mesclando mentiras, modificando maneiras, mascarando maracutaias, majestoso manicômio. Meu monólogo mostra mentiras, mazelas, misérias, massacres, miscigenação, morticínio - maior maldade mundial.
Madrugada, matuto magro, macrocéfalo, mastiga média morna. Monta matungo malhado munindo machado, martelo, mochila murcha, margeia mata maior. Manhãzinha, move moinho, moendo macaxeira, mandioca. Meio-dia mata marreco, manjar melhorzinho. Meia-noite, mima mulherzinha mimosa, Maria morena, momento maravilha, motivação mútua, mas monocórdia mesmice. Muitos migram, macilentos, maltrapilhos. Morarão modestamente, malocas metropolitanas, mocambos miseráveis. Menos moral, menos mantimentos, mais menosprezo. Metade morre.
Mundo maligno, misturando mendigos maltratados, menores metralhados, militares mandões, meretrizes, maratonas, mocinhas, meras meninas, mariposas mortificando-se moralmente, modestas moças maculadas, mercenárias mulheres marcadas. Mundo medíocre. Milionários montam mansões magníficas: melhor mármore, mobília mirabolante, máxima megalomania, mordomo, Mercedes, motorista, mãos… Magnatas manobrando milhões, mas maioria morre minguando. Moradia meia-água, menos, marquise.
Mundo maluco, máquina mortífera. Mundo moderno, melhore. Melhore mais, melhore muito, melhore mesmo. Merecemos. Maldito mundo moderno, mundinho merda.

Silvio Amarantes.
 

Since

“Since…” é um pequeno vídeo criado por Cyril Calgaro & Arnaud Laffond, onde faz uma viagem pela evolução dos diversos meios de comunicação (desde os sinais de fumaça…) usados pela humanidade ao longo do tempo.



Surrupiado - Comunicadores.Info

Laerte-se

Há muito já havia visto a divulgação do documentário da Laerte. Num primeiro instante não me chamou muito atenção por compreender o conte...