quinta-feira, 31 de maio de 2012

Super-humano?



 A cabeça infatigável 

 Quando descobrimos que éramos tristes, sem perspectivas, à beira do desespero, apareceram o Valium e o Prozac. Também nos flagramos tensos, sobrecarregados, cansados, e nos ofereceram Rivotril. Com a evolução da psiquiatria e das neurociências, para cada estágio de mal-estar da civilização logo aparece o remédio, na forma de pílulas. A julgar por drogas que começam a ganhar notoriedade, o próximo passo aponta para além da busca da felicidade, ou da tranquilidade: o objetivo é ganhar eficiência, especialmente no trabalho. Depois dos psicotrópicos e dos ansiolíticos, desponta a era dos medicamentos nootrópicos. Aos 24 anos, Luís [nome fictício] é candidato a diplomata. Passa o ano se preparando para as muito concorridas provas do Instituto Rio Branco, que ocorrem entre março e julho. Para estudar, há alguns meses passou a tomar regularmente uma combinação de três substâncias: colina, aniracetam e huperzina. Cada uma cumpre uma função. A colina, observa Luís, não tem grande efeito em seu desempenho, mas "é uma coisa que não pode faltar no organismo". Trata-se de uma substância encontrada em alimentos ricos em gordura, sobretudo ovos. Segundo alguns pesquisadores, amplia a disposição da pessoa para se colocar no lugar dos outros, o que faz dela uma "substância moral". A huperzina "fortalece a memória, mas não pode ser tomada todo dia, porque é perigosa". Plantas que contêm a substância são usadas tradicionalmente na China para combater inchaços, mas o excesso pode causar problemas respiratórios, diarreia e insônia. Já o aniracetam "é o carro-chefe", porque, sendo lipossolúvel, fica bastante tempo no corpo. "Depois de uma semana, a inteligência está tinindo", afirma Luís. "E também melhora o humor." Ansiedade e insônia são seus efeitos colaterais mais comuns. A história dessas substâncias começa nas pesquisas sobre a doença de Alzheimer. E prossegue com males que receberam seus nomes mais recentemente, como hiperatividade, déficit de atenção e estresse pós-traumático. A vasta maioria das substâncias que realçam a percepção, a memória, a vigilância e o raciocínio é comercializada pela indústria farmacêutica com fins teraupêuticos bastante precisos. Como seus efeitos colaterais ainda não são muito conhecidos, aquelas que estão disponíveis no Brasil só podem ser vendidas com receita médica. Mas pessoas que, como Luís, são saudáveis e enxergam nessas drogas possibilidades mais amplas não se detêm por determinações regulatórias. Estudantes e profissionais que buscam o aprimoramento cognitivo se valem de encomendas do exterior via internet - na esperança de que a correspondência não seja examinada -, ou de viagens para outros países, sobretudo os EUA - também na esperança de não ter a bagagem inspecionada ao chegar no aeroporto. "É um autoexperimento", diz Luís. "Além do mais, em concursos como este, em que cada décimo de ponto faz toda a diferença, se eu puder atribuir uma única resposta certa aos remédios, já valeu a pena." A maioria dos psiquiatras reluta em dar receitas de nootrópicos para pacientes saudáveis, mas não é impossível dobrar a resistência. Segundo Luís, "às vezes, se você explicar o que precisa, eles dão". Psiquiatras e especialistas em ética alertam para pedidos explícitos por prescrições de ritalina e outros remédios com finalidade competitiva - e nootrópica. Em 2009, a "Revista Brasileira de Psiquiatria" publicou o relato de médicos gaúchos sobre pacientes que procuravam seus consultórios porque precisavam "conseguir emprego" ou "passar em concurso". Uma receita de nootrópico seria o meio mais fácil de vencer a concorrência. O chamado "doping mental" apareceu nos anos 1990, com estudantes universitários americanos. Eles passaram a tomar modafinil e metilfenidato (que combate o déficit de atenção) para obter notas melhores. Hoje, começam a aparecer indícios de propagação para o mercado de trabalho. No californiano Vale do Silício, onde a velocidade de raciocínio é de longe o maior ativo profissional, o modafinil ficou conhecido por "droga do empreendedor" e "cocaína do século XXI". "É claro que isso é doping", reconhece Luís, com o pensamento nas longas horas que passou estudando sob o efeito dos nootrópicos. "O princípio do doping é o mesmo dos anabolizantes do esporte. Mas ainda é tão primitivo que não preocupa." Ele pensa mais nos efeitos colaterais do que propriamente nas vantagens competitivas de quem fica mais tempo acordado ou lê mais atentamente o código civil, por exemplo. Mas as duas vertentes estão ligadas: "Um dia, alguém vai ultrapassar os limites, vai levar a ambição de inteligência e memória longe demais... Na competição, quem se torturar mais vai ser premiado". A expansão dos nootrópicos lhe parece inevitável: "Dá para imaginar um concurso público em que todos tenham de fazer exame de sangue?" Além dos medicamentos, também se dissemina o tratamento de choque feito em casa. Quem obtiver uma receita médica nos EUA pode adquirir, por US$ 600, um aparelho que estimula diretamente o cérebro, mais precisamente o córtex frontal, por meio de eletrodos e uma corrente contínua de até nove volts. É o chamado "estímulo transcraniano direto" (TDCS, na sigla em inglês). Nick Bostrom, diretor do Instituto sobre o Futuro da Humanidade, em Oxford, diz que pedidos como esse são cada vez mais comuns. Psiquiatras são procurados por pacientes que temem a concorrência de colegas de trabalho "claramente turbinados: chegam mais cedo e saem mais tarde do escritório, nunca estão cansados e às vezes nem piscam direito". Encantados com a produtividade inesgotável de seus subordinados, os chefes passam a exigir de todos o mesmo desempenho. "Se a tendência se generalizar, as pessoas que não querem engolir pílulas podem se sentir deixadas para trás ou obrigadas a se submeter." Já ficou para trás a moda das drogas (ilegais) que realçavam a percepção sensorial, como o ácido lisérgico (LSD), em nome da contracultura. Hoje, os estudos e os abusos vão em direção mais pragmática. As pressões para que a pessoa seja eficiente e rápida levam a enxergar no cérebro, mais do que um órgão, uma máquina. "A maioria das pesquisas procura incrementar a performance profissional e não a potência criativa", diz Joel Birman, psicanalista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Os nootrópicos entraram para a cultura popular no ano passado, com o filme "Sem Limite", em que atuam Robert De Niro, Bradley Cooper e Abbie Cornish. Trata-se da história de um escritor frustrado que, ao tomar um medicamento fictício (NZT, inspirado vagamente em modafinil), consegue chegar ao sucesso, mas com consequências terríveis. "O filme faz parecer que é uma transformação radical, mas as drogas que existem hoje não dão um resultado muito maior do que uma caneca de café", diz Bostrom. O termo "nootrópico" foi cunhado em 1972 por Corneliu Giurgea, psicólogo e químico romeno, como uma classe dos famosos "psicotrópicos", fármacos que conseguem penetrar no cérebro. O termo "psyche", em grego antigo, refere-se à alma, e "noos" é o intelecto. Assim, a substância psicotrópica é aquela que produz variações no humor, como alegria ou relaxamento, enquanto a nootrópica, mais especificamente, altera capacidades de intelecção, como a memória, a atenção e a velocidade de raciocínio. As pesquisas com TDCS, originalmente ligadas à psiquiatria, haviam sido abandonadas na década de 1960. Não havia certeza sobre se a corrente elétrica chegava, de fato, ao cérebro, nem sobre seus efeitos de longo prazo. Já a estimulação magnética foi retomada de dez anos para cá, com estudos principalmente na Alemanha. A permanência dos resultados nos pacientes ainda é questionável, mas sua aplicação tem crescido. Em São Paulo, o Centro Brasileiro de Estimulação Magnética Transcraniana oferece o serviço desde 2000. "Quem nos procura normalmente quer a melhoria das funções cognitivas. Os pacientes relatam aprimoramento no desempenho e alguns vêm mensalmente 'recarregar as baterias'", diz Roni Broder Cohen, diretor da clínica. A melhora se dá, segundo ele, porque a estimulação magnética propicia a proliferação de dendritos, que ligam um neurônio a outro. A neuropsicóloga Melina Ferreira, que atua na clínica, diz que os resultados são cumulativos e recomenda ao menos dez sessões. Mas alerta: "O estímulo magnético equilibra, não turbina ninguém". No Laboratório de Neurobiologia da Universidade de Brasília, o professor Joaquim Brasil endossa a ideia de que o primordial é afinar as funções cerebrais. "A esmagadora maioria dos estudos com corrente contínua (TDCS) ou medicamentos visam o tratamento do doente, não turbinar o saudável." Para isso, no entanto, é necessário que testes sejam feitos em pessoas sadias, como grupo de controle. Não seria possível dizer se um efeito de uma droga ou de um procedimento seria consequência das disfunções cerebrais do doente ou da eficácia do tratamento. Ainda assim, há sempre alguém à espreita da pesquisa científica, com finalidades nada terapêuticas. Brasil lembra que, quando esteve no National Institute of Neurological Disorders and Stroke, em Maryland, nos EUA, sua equipe trabalhava em experiências com estímulos magnéticos para melhorar reações motoras. Certo dia, um funcionário do Pentágono quis saber se, com os resultados positivos, já era possível deixar os pilotos de caças mais rápidos no gatilho. Não era. "Mas isso não impediu a sanha de alguns de querer aplicar algo que deveria ajudar pacientes com Parkinson, por exemplo, para fins militares." Ainda hoje, os militares demonstram um interesse particular por todo tipo de aprimoramento cognitivo, com uso do modafinil - para manter os soldados acordados durante missões de longa duração - ou descargas elétricas no córtex cerebral, para combater o estresse pós-traumático em soldados que protagonizaram cenas de carnificina. O exército dos EUA figura entre os clientes do canadense David Siever, engenheiro fundador da empresa Mind Alive. Siever desenvolve tanto produtos invasivos (com corrente elétrica no cérebro) quanto não invasivos, que estimulam o órgão por meio dos sentidos. Ele considera que a agitação em torno da manipulação performática do cérebro é exagerada. O estresse, diz, é o vilão maior da capacidade cognitiva e, só por combatê-lo, ganhos de inteligência, memória e atenção já aparecem. "Para funcionar no aprimoramento cognitivo, aparelhos de estímulo direto exigem um longo estudo prévio", diz Siever. "Isso sai muito caro. Eu me sentiria mal de cobrar tanto de pessoas que não estão conseguindo trabalhar." Um dos clientes que se dizem satisfeitos com os produtos de Siever alega que, graças aos estímulos cerebrais, tornou-se um escritor de sucesso (é autor de um livro de autoajuda). "Na verdade, não houve aprimoramento, porque o problema dele era estresse", diz Siever. "Cansado e ansioso, ele não conseguia trabalhar. Estímulos visuais e auditivos bastaram para liberar a energia produtiva e criativa." Ainda assim, Siever tem protótipos de estimuladores cerebrais, mas seu único cliente, por enquanto, é ele mesmo. "Sou músico amador e, às vezes, gosto de praticar com eletrodos ligados ao córtex auditivo. Costumo me considerar bastante afinado, mas nessas horas, com a audição turbinada, percebo que ainda tenho muito a melhorar." Na pequena cidade de Kalamazoo, no Estado americano de Michigan, um grupo de jovens entre 22 e 26 anos decidiu tirar a prova dos nove e experimentar por conta própria se poderiam se tornar mais espertos graças a choques na testa. Construíram um protótipo de estimulador cerebral para apresentar durante um evento de empresas "start-up" em janeiro. Pretendiam ficar na apresentação, "mas várias pessoas vieram nos pedir para comprar o aparelho, como se já estivéssemos vendendo", conta Matt Scornson, o mais velho do grupo, que afirma já terem chegado cerca de 400 pedidos. Hoje, eles recolhem contribuições para construir um kit para concorrer com produtos como o "Alpha-Stim SCS", vendido com receita médica para combater ansiedade, depressão e insônia, que custa US$ 600. Calculam que seu aparelho custará cerca de US$ 100 - e contam com a sorte para não serem obrigados a exigir receita. O mais animado dos clientes potenciais, diz Scornson, é um grupo de estudos em Princeton. "Às vezes, eu me pego imaginando como seria um campus no futuro, em que todos circulariam com 'bonés mentais' na cabeça", comenta, rindo. Assim como os fãs de nootrópicos, os jovens inventores também cultivam o hábito de testar seu protótipo na própria pele. Se eles se sentem mais inteligentes e produtivos? "A sensação é a de ter tomado várias canecas de café", diz Scornson, "e dura meia hora, depois de desligar o aparelho". Invertendo a corrente, ele diz que a sensação é de sonolência. "Os riscos são pequenos, porque a potência máxima do aparelho é muito baixa. É um protótipo, só para testes." As pressões por desempenho e produtividade se traduzem em exigência de atenção e memória. Nos EUA, uma pesquisa publicada no "American Journal of Addictions" revelou que 5,3% dos universitários do país admitem ter usado remédios para concentração (sobretudo ritalina) sem receita. Em outra pesquisa, conduzida pela Universidade Harvard, verificou-se uma proporção de 6,9%, mas nas universidades mais competitivas da Costa Leste americana o número de estudantes que buscam turbinar o cérebro bateu em 25%. Pesquisa do Departamento de Saúde dos EUA, de 2009, mostrou que os universitários continuam sendo os consumidores mais contumazes de remédios para a cognição, a uma taxa duas vezes mais alta do que outros grupos, como profissionais do mercado financeiro. Espera-se desses medicamentos principalmente a possibilidade de aprender mais rápido, sobretudo em situações de esforço para decorar a matéria de um exame na última hora. Embora não existam números oficiais sobre o uso de substâncias nootrópicas em pessoas saudáveis, pode-se estimar, pelos dados do mercado, a evolução do consumo. Julian Savulescu, professor de ética prática da universidade de Oxford e coautor de "Enhancing Human Capacities" (2011) e "Unfit for the Future: the Need for Moral Enhancement" (com lançamento previsto para setembro), cita como indício as vendas de modafinil, destinado a combater os sintomas de falta de sono. Lançada em 1998, a substância vendeu US$ 96 milhões em 2002 e US$ 1 bilhão em 2008. "Em 2017, calcula-se que serão US$ 17 bilhões", diz Savulescu. "Não tem tanta gente assim com narcolepsia." O perigo do modafinil está em reduzir o sofrimento de quem está privado de sono, mas não eliminar a necessidade fisiológica de dormir. Luís diz que abandonou a substância após tê-la usado algumas vezes. "Não estimula em nada", diz. "Mas faz desaparecer completamente a necessidade de dormir." Ele estima em 20 horas o tempo de vigília "segura". "A partir daí, começa a dar problema." Qual problema, exatamente, é difícil de determinar: o aprimoramento cognitivo é um tema tão novo que não existem estudos sobre os efeitos de longo prazo de qualquer um desses remédios. Luís participa de grupos de discussão e estudo sobre substâncias nootrópicas - grupos como esse se encontram às dezenas na internet. "É como uma seita. Cada um traz suas experiências, propõe combos de substâncias, anuncia novos estudos...", relata. Como ele, os demais participantes também veem a ingestão das substâncias como uma experiência. "Enquanto isso, a turma do mercado financeiro e do cinema [duas atividades que exigem atenção intensa e longas horas de vigília] ainda está no tempo de estimulantes como a cocaína." A razão, diz, é que os efeitos ainda são pouco visíveis, mal ultrapassando o de uma caneca de café. No entanto, há profissionais dessas áreas entre os autoexperimentadores, de olho no desempenho perante os colegas do mercado. "O modafinil é o mais fascinante para quem trabalha com investimentos", diz Luís. "Imagine poder ficar acordado o suficiente para acompanhar as bolsas de Tóquio, Paris e Nova York continuamente?" A universidade foi o primeiro universo a abraçar os nootrópicos, e não foram só os alunos, mas também, e talvez principalmente, os professores, às voltas com cargas de ensino muito elevadas e prazos curtos para entregar artigos. Em janeiro, a revista de divulgação científica "Nature" publicou os resultados de uma pesquisa, realizada por estudiosos de Cambridge, sobre o uso de estimulantes cerebrais entre professores. Um em cada cinco pesquisados admitiu o uso de ritalina, aderal, modafinil, piracetam e outros remédios semelhantes, sem prescrição médica. Entre os experimentadores nootrópicos, pesquisador e cobaia se confundem. Luís define as discussões e tentativas de encontrar a melhor combinação de substâncias como "uma loteria estranha". "É uma mistura esquisita de estudo e experimentação", resume. Luís fala com empolgação do efeito que as pílulas têm sobre sua capacidade de trabalhar. Diz que, ao se sentir mais esperto, fica eufórico e "dá vontade de voltar ao 'rush' dos estudos, dá muito tesão de estudar, ver e entender as teses". Os textos e as equações, segundo Luís, tornam-se mais claros, o que provoca uma enorme satisfação. Mas existe outro lado. "Depois do exame, parei de tomar os remédios e perdi a potência cognitiva." Ele não quer dizer que ficou menos inteligente do que sempre foi, mas a ausência do ganho temporário é sentida. "É difícil ficar sem aquela sensação. O potencial de vício existe." E dá uma declaração típica de quem vê esse potencial em um horizonte não muito distante: "Por sorte, sou muito moderado. Posso parar quando quiser". Sinal de que existe uma hierarquia entre a preocupação com o corpo e a competição social, a primeira objeção ética feita aos nootrópicos não é endereçada aos riscos que podem implicar para a saúde, mas à vantagem competitiva que podem fornecer. "Se tomo café, fico mais atento e desperto e, aparentemente, penso um pouco mais rápido. Isso se chama 'tradição'. Se tomo modafinil, fico mais atento e desperto e penso um pouco mais rápido. Isso se chama 'trapaça'", compara Jamais Cascio, do Instituto Para a Ética e as Tecnologias Emergentes. Bostrom propõe que se imagine uma droga eficaz e, ao mesmo tempo, perfeitamente segura, e que seu uso fosse permitido nas escolas, para ampliar a capacidade de aprendizado de crianças e jovens. Sem uma forte regulação, a substância estaria mais disponível para as pessoas que pudessem pagar. Essas são as mesmas pessoas que já têm acesso às melhores escolas, a professores particulares, aos caríssimos livros-texto, aos eletrônicos e todas as outras formas de aprimoramento do aprendizado. Como ocorre com tantas outras tecnologias, os mais pobres sairiam prejudicados. A saúde dos usuários não está, porém, inteiramente excluída das preocupações. As pesquisas já realizadas não indicam maiores efeitos colaterais de curto prazo, mas não existem dados sobre os efeitos de longo prazo, que seriam fundamentais para qualquer julgamento dos perigos dos nootrópicos. "Se essas substâncias fossem tão seguras quanto o flúor que se põe no suprimento de água, haveria um forte argumento favorável", diz Savulescu. "Mas não sabemos, porque as únicas substâncias licenciadas hoje tratam de doenças bem específicas. Eu não tomaria essas drogas por longo tempo." Por enquanto, a contraindicação mais séria é o risco de dependência. Estudo publicado no "Journal of the American Medical Association", sob direção de Nora Volkow, revelou que o modafinil aumenta a concentração de dopamina no cérebro, o que indica a possibilidade de provocar dependência no longo prazo. Usuários da substância que experimentaram o uso diário também relatam que o efeito se torna mais fraco com o passar do tempo. O controle sobre os processos mentais também conduz a questões sobre a espontaneidade na vida humana. As exigências performáticas sobre o trabalhador poderiam levar a um futuro, por exemplo, em que a rotina cotidiana de todos fosse tomar um remédio "ativador" ao acordar - para pensar mais rápido e se concentrar no trabalho - e um "desativador" ao voltar para casa, relaxar e conseguir dormir. Por mais distópico que soe, há quem não se impressione. "Hoje, as pessoas saem da cama e tomam uma xícara de café para acordar. Ao chegar em casa, tomam uma taça de vinho para relaxar", cita Savulescu. "Álcool e cafeína são substâncias que aparecem naturalmente na natureza, mas são tóxicos. Se tivermos substâncias artificiais que façam o mesmo efeito com menos toxicidade, por que preferir as naturais?" Para Luís, a substituição do café por uma substância nootrópica é um problema inexistente. O aniracetam, por exemplo, produz nele um efeito mais fraco do que o café. Por que então tomar aniracetam, e não café? "Ora, tomamos os dois!" Birman chama atenção para o contraponto entre o desempenho em tarefas e a potência criativa. Para ele, os trabalhos que visam o "homem maquínico" ignoram a necessidade de latência, isto é, de silêncio no processo criativo. "O mundo das narrativas é fundamental para nossa inteligência. O processo não é de lógica instrumental, o intervalo e o silêncio têm importância na construção da linguagem." Ele compara a experiência criativa ao erotismo, em que é preciso tempo para que a excitação sexual se concretize. "A sociedade contemporânea está eliminando a latência. O sexo, hoje, é performático, não inventivo, bem como nosso conhecimento." Assim, os concurseiros e vestibulandos que, na última década, identificaram na ritalina, por exemplo, uma alternativa para aumentar a concentração e a retenção de informações podem ter comprado o gato do desempenho pela lebre da inteligência. "Muitos se deram mal com isso. Usar a ritalina numa pessoa saudável é como colocar quatro violinos a mais numa orquestra sinfônica que funcionava lindamente com sete", explica o neurologista Ricardo Teixeira, diretor do Instituto do Cérebro de Brasília. Em sua clínica, diariamente aparecem pessoas atrás de soluções rápidas para problemas como dispersão e falta de memória. Bostrom afirma que os estudos de ética no aprimoramento cognitivo trabalham sobretudo com substâncias hipotéticas. "Sabemos que o modafinil, por exemplo, permite a realização mais eficiente de determinadas tarefas no laboratório, mas isso não necessariamente implica ganhos na vida real." Ele explica que as drogas já existentes servem para dar estímulos específicos, em momentos de necessidade. O melhor exemplo é a sensação do fuso-horário, particularmente incômoda para executivos que fazem reuniões em cidades diferentes todo dia e professores universitários que atravessam o oceano para fazer palestras. "Se eu pudesse tomar algo para aguentar só nesse dia!", diz Bostrom, que afirma não consumir nootrópicos. Mas a perspectiva de se tornar perenemente uma pessoa mais esperta graças às drogas da inteligência é uma ilusão. "O estímulo tem um custo. Depois que o efeito passa, vem um cansaço proporcional e a necessidade de repouso." Bostrom explica que as substâncias se inserem na economia energética do cérebro, ou seja, transferem energia de um lado para outro, sem, no entanto, aumentar a carga total de energia. As tecnologias que prometem nos tornar mais eficazes ainda passam por um período de ajustes e comprovações. "E o que vamos fazer com elas também. Estamos aprendendo a lidar com as possibilidades dessas descobertas", diz Suzana Herculano-Houzel, neurocientista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O processo de aprendizado não é substituído por pílulas ou choques, embora possa ser facilitado por eles. "Talvez a capacidade de processar informações fique um pouco melhor, mas o esforço de estudar e encontrar sentido para aqueles dados ainda será necessário." "Quem é o atleta de elite cerebral?", pergunta Teixeira. "É aquele sujeito em equilíbrio psíquico, com controle emocional, que tem o sono, a alimentação e as atividades físicas balanceados. Se o arroz com feijão está desorganizado, não adianta pular para o cafezinho", responde. É esse o caminho que Patrícia [nome fictício] está tendo de percorrer. Formada em turismo e direito e fluente em francês e inglês, ela ainda quer mais. Sentindo-se mal remunerada nas duas profissões, decidiu partir para os concursos públicos. Aos 39 anos, Patrícia ainda sentia a pressão de ter uma irmã médica e um irmão professor, ambos bem-sucedidos. Procurou a ajuda de um neurologista para ficar mais concentrada nos estudos, melhorar a memória e a disposição. "Saí de lá com a recomendação de tratar a enxaqueca e as questões de autocobrança e ansiedade", conta. Em vez da receita, recebeu a indicação de um psicólogo. Os médicos reiteram que a única coisa verdadeiramente insubstituível no processo cognitivo é o senso de mérito. "Gostamos de fazer por merecer, faz bem para nossa autoestima. Se conquistamos coisas graças a procedimentos como esses, não ficaremos tão satisfeitos.". Para Suzana, essa velocidade que queremos impor às nossas cabeças não é justificável. "O fato de podermos fazer algo imediatamente não deve ser sinônimo de ter que fazer. É com essa diferença de ritmos que temos de aprender a conviver." Se a solução mágica para potencializar a massa cinzenta não existe, há cientistas que acreditam firmemente no poder do bom e velho exercício. Ivan Izquierdo, médico, neurocientista e coordenador do Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, não titubeia: "Quer melhorar seu cérebro? Leia. Use-o. Exercite-o. Mais do que isso", diz ele, "é como tentar fazer um gato latir". Veementemente contra intervenções químicas, físicas ou genéticas, Izquierdo derruba o mito de que usamos só 10% da capacidade mental. "Isso é bobagem, podemos usar muito, é só ler bastante e usar bastante nossa cabeça." Joaquim Brasil, que fez parte, por vários anos, do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade de Brasília, acrescenta que o treinamento não modifica o organismo, mas potencializa o que o cérebro já tem. "Matricular um filho em três escolas de idiomas não é antiético, mas dar ritalina ou choque nele para melhorar seu desempenho é." E conclui: "O ser humano já evolui naturalmente. Para que mexer com isso e tentar criar um super-humano?".

 Fonte. Valor.com.br

 http://www.valor.com.br/cultura/2654244/cabeca-infatigavel

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Blog Music

Reflexão sobre a vida

Acredito que pouco se discute sobre o direito que temos diante de nossa vida. Você já parou para fazer uma reflexão sobre este tema? Diante de uma doença, teríamos o direito de decidir se queremos passar por todo processo da medicina ou simplesmente morrer? Afinal, o direito é nosso ou do estado? Veja o vídeo abaixo.

Realidade

Laerte-se

Há muito já havia visto a divulgação do documentário da Laerte. Num primeiro instante não me chamou muito atenção por compreender o conte...