quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

.

Olá queridos amigos do blog! Tenho estado ausente por falta de tempo para escrever, mas prometo que até o próximo domingo vou trazer algo novo para trocarmos experiência, ok!
Essa música tem feito diferença na minha vida, espero que faça pra você também.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Roube ideias e espalhe por ai.

Ontem na aula de Publicidade tivemos uma palestra incrível com o Gil Giardelli.

www.gilgiardelli.com.br

Ele falou muito sobre produção de conteúdo na rede e compartilhamento de informação. Foi uma palestra fantástica, daquelas que quando termina você olha para relógio e diz; já acabo? Muito simpático abriu para perguntas, e eu claro fui o primeiro a questiona-lo. Perguntei como ele analisava o conteúdo produzido pelos brasileiros, ele foi enfático: No Brasil existe muita coisa boa, só que ainda está escondida, mas estamos no inicio somos capazes de produzir bem mais. Resolvi questionar porque diante de tanto material bacana apresentado por ele, fiquei pensando por que a grande maioria de nós produz tantas bobagens, muito material sem conteúdo que acaba ganhando status de material de primeira qualidade, enquanto o material realmente importante é deixado de lado. O que seria importante? Importante é o que realmente tem algum conteúdo, onde você possa aprender e tirar algo de proveitoso. Segundo as informações passadas pelo Gil, 1% produz 4% replicam e 95% aprendem. De fato estamos diante do melhor momento para entender que somos capazes de mudar, transformar tudo, mas ainda assim parece que o povo está cego. Mas não devemos desistir, só insistindo que vamos conseguir. Estamos no Youtube, Orkut, Twitter, Facebook e demais redes sociais com propósito de aprender, gerar conteúdo ou replicar conteúdo. Será que ainda não notamos a força que essas ferramentas nos deram? Liberdade de expressão como nesse momento aqui no blog, posso escrever, manifestar minha opinião, minha ótica em vários aspectos sem ter receio de censura.
E nunca foi tão fácil aprender como nessa nova era. Tudo de graça, você não gasta absolutamente nada, e o que você precisa? Tempo? Não, você precisa ser aplicado.

Quer aprender outro idioma?

http://www.livemocha.com (só fazer o cadastro e escolher seu idioma)

Brasileiro tem fama de esquecer em que votou nas últimas eleições, isso é bem clássico. Já existe solução há muito tempo.

http://www.eulembro.com.br (Aqui você é lembrado)

Está com algum problema pessoal, largou da namorada, tá com quebranto, quer botar o nome de alguém na boca do sapo?

http://macumbaonline.com/ (faça sua macumba de casa)

Já imaginou se depois daquele amor gostoso você pudesse registrar o fato, mas não fotografar ou fazer vídeos, digo registrar de uma forma mais específica. Primeiro onde e como foi feito e algumas informações adicionais sobre tempo, posições e quantas, claro.

http://ijustmadelove.com/ (é uma mistura de google mapps com putaria, mas a proposta é superinteligente).

Enquanto muitos só se dizem felizes com altos salários, festas, baladas, viagens e afins, outros de nós só precisam de palavras.

http://www.doepalavras.com.br/ (Venha, doe uma palavra!)

Gosta de quadrinhos?

http://www.gibiraro.com.br/ (Entre e divirta-se)

Com tanta coisa interessante e veja que isso é só um pedacinho da gigantesca gama de material que existe espalhado por ai. Pra combater essa minoria que acredita que qualquer coisa é conteúdo,é mostrando o que de fato é conteúdo. Então roube ideias e espalhe também. Ah, CRIE CONTEÚDO, se você tem uma sacada interessante, solte essa ideia, de vida a sua ideia. Afinal guardar para que?
Para combater a falta de conteúdo, será apenas com conteúdo.

Faça algo, aprenda algo, compartilhe algo, modifique algo.


"A arte não pode mudar o mundo, mas pode mudar a cabeça das pessoas que podem mudar o mundo"

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O Show, O Povo e a Violência.

Já tem algum tempo que não escrevo aqui no blog, e a culpa é de quem? Rss

Hoje passaremos por três assuntos; O Show, O Povo e a Violência. No último dia 30 (ontem) passei por uma experiência bem interessante. Final de semana repleto de compromissos, entre estudar, casamento e ainda curtir o aniversário da minha querida cidade. Ah, eu não casei não, foi o casamento da minha prima, eu chego lá um dia rsss. Bom, na segunda (ontem) tivemos a apresentação de um cantor de música sertaneja, desse novo estilo universitário. O cara é bem ao estilo Luan Santana (detalhe: é apenas uma referência, e não uma comparação). Como trabalho no rádio, ouço a música desse moço o dia todo, todos pedindo, todos comentando é o show, e isso e aquilo. Eu e a minha noiva resolvemos ir conferir, de graça, melhor ainda. Primeiro tinha uma multidão que realmente foi o grande diferencial da noite se tratando da minha cidade, onde temos uma população de 8.500 habitantes. Era muita gente, não tinha como contabilizar a quantidade de pessoas (até que chutaram alto). Ficamos ali no nosso canto a espera do show do garoto Gustavo Lima. É o mesmo que o Luan Santana se apresentasse depois de ter lançado aquela música com o Fernando e Sorocaba, imagine quem não procuraria a cidade vizinha pra vê-lo de graça. Começou o show, daí pra frente o que assisti foi um verdadeiro espetáculo. O Cantor Gustavo Lima tem presença de palco, simpatia e acima de tudo é um artista nato. Um repertório fantástico e olha que quem está elogiando não ouviu o CD dele inteiro nenhuma vez. Canções bem chicletes, daquelas que tocam duas vezes e você decora o refrão. Muito bem produzido, sabe fazer o público ficar ligado no show sem ter vontade se quer de ir ao banheiro. Mesmo estando numa no interior, o cantor se apresentou como se estivesse diante do maior público da sua carreira. Esbanjou energia e bom gosto até na escolha das canjas de músicas de outros artistas. Tocou vários violões, viola caipira, e ainda parou pra dizer que sabia que tinha gente que curtia outros gêneros e “solou” alguns clássicos do rock (exatamente, tocando guitarra) fazendo o público em geral delirar. Fiquei muito satisfeito com o show, pensei que iria ver um show morno de 1 hora, e acabei curtindo 2 horas de um verdadeiro espetáculo. Deu pra perceber que existem inúmeros artistas verdadeiros nesse País, e, eles estão em busca de espaço e oportunidade.

E o povo, como se comporta o povo? Há tempos venho observando o comportamento das pessoas nesses tipos de eventos que reúnem multidões. E, o mais interessante é observar que, nós somos manipulados, e assim seguimos a cartilha, a famosa regra. Pô, show do Gustavo Lima, “vou trajado”, (gíria usada para estar bem vestido para ocasião). Diante da realidade na qual vivemos é bem fácil identificar o momento no qual estamos. É onde exibir o corpo é mais importante do que até mesmo estar bem vestido. Importante é a imagem de mulher ou homem sexy, seguindo a cartilha, não pode faltar à bebida alcoólica. Ah, essa não pode faltar mesmo, pois se você não bebe você não faz parte daquele grupo ou daquela turma. Se tiver dúvida, faça um teste, comece observar. Estamos em 2010, volte em 1998 se caso tenha idade para isso e procure onde tínhamos garotas de 15 anos na rua com roupas curtíssimas e abusando do álcool? Tenho que ser justo na questão dita anteriormente, não abusamos do álcool, mas ele sim abusa de nós, então tenha cuidado com isso. Continuando, se está certo ou errado cabe o julgamento de cada um. Eu não sou Pai pra dizer isso ou aquilo, sei que quando tiver meus filhos já tenho meus métodos de educação bem guardados na mente. Ainda seguindo as regras, quem vai num show sertanejo e não da um beijo na boca? Vou dar uma dica para abrir a mente. Quantas vezes você ouviu em algum show por ai: Quem tá solteiro ai? Quem não beijo ainda? Quem vai encher a cara hoje porque largo da namorada? Quem já levou um chifre? Agora, cabe você pensar com mais atenção, porque muitas vezes você está ali achando que tudo está perfeitinho e você está sendo apenas um instrumento. Com isso não estou dizendo que show A ou B é ruim de maneira nenhuma, apenas existem alguns detalhes interessantes para observação. Ah, o dia em que estiver em algum show ou micareta e ver um artista dizer: Beba água, isso sim faz bem, água é saúde, o mundo evoluiu. Caso veja, tenha certeza que esse está sendo muito bem pago para isso.

E onde se encaixa a violência aqui? Bom, estamos falando de show, multidão e de fato a violência teima em querer ter o seu lugarzinho aqui, já notou isso. Violência não encaixa em nada, violência não resolve nada. Temos que entender que violência não é um sentimento, pelo contrário, violência é ausência de sentimento. Ausência de sentimento pelo seu semelhante, pelo seu irmão e até ausência de amor pela própria vida. Violência só existe com descontrole emocional. Não existe justificativa para violência, caso exista me explique, eu sou um bom aluno. Voltando a ligação de toda história do inicio do show, o povo, após o termino do show, tivemos uma boate com a praça tomada pelos festeiros. Foi contar 15 minutos começou o festival de brigas, e é sempre uma gerando outra. O cara vai brigar porque já encheu o C* de cerveja, e se acha homem, aliás, existe essa cultura pelo menos no interior. O cara bebe e se acha o machão, bate em todo mundo, chama todo mundo pra briga. Ai tem os curiosos, toda briga tem curioso, mas o pessoal não quer ver, eles querem participar, tipo num filme de 3D, querem estar dentro da cena. Ai correm pra dentro da briga, o cidadão leva um soco e começa outra briga, é sempre assim, reparem. Por conta de meia dúzia, terminaram uma festa que ainda tinha 1 hora e meia pela frente. E a culpa é de quem? Ninguém tem culpa, nessa hora a polícia e a segurança só tem uma opção; Agir com violência que gera ainda mais violência. Eles estão errados? Estão corretos? O que é segurança? Segurança pra mim é você estar num ambiente onde você não tenha preocupação com violência ou assalto. E ordem? É dentro desse ambiente seguro, ter todo tipo de informação, onde eu me sinta tranquilo. Caso tenha alguma dúvida relacionada à cidade ou onde estou, e até mesmo sobre o evento. A ordem a qual me refiro é a organização. Depois dessa última parte você pode pensar: Então estava tudo errado? Não, claro que não. Estava ali, tudo de graça, não tinha nada de errado, cada qual é livre para aproveitar da maneira desejada, desde que não tire a liberdade do próximo, e é isso que a violência faz, ela tirou a paz e o sossego de milhares que saíram de casa pra curtir uma linda noite. A verdade é que alguns membros da nossa sociedade precisam ser reeducados para aprenderem a viver em conjunto, ou sempre vai ser da mesma forma e do mesmo jeito. Você pode se perguntar, mas isso é fácil?
Quando se trata dos mesmos impertinentes sim, é muito fácil resolver.


Tire uma lição desse video.
Ah, passe adiante tbm.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A Arte da Voz

De fato nossa voz é como nossa impressão digital, cada qual tem uma e na sua modulação. Voz parece, mas nunca será 100% ao de outro semelhante assim dizendo. Sou um amante de vozes, trabalho usando a voz e vejo um mundo fantástico. A voz é compreensível, sabemos através dela quando alguém está cansado, feliz, triste, alegre, com dor e etc. Existem milhares de milhares de vozes, e uma que marcou e marca minha vida com certeza é do eterno Newton Da Matta.



Acabei vendo o video novamente e fiquei pensando;
Voz linda esse cara tem, fantástico, quantos e quantos filmes não assisti acompanhado da voz do Newton. Uma pena não estar entre a gente mais.

Gabriel Pensador - Nunca Serão



Show!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

20 de Novembro



Estamos próximos do grande dia 20 de novembro, dia este que marca o dia da consciência negra. Aliás, o que seria consciência negra? Não sei ao certo do porque do nome consciência negra, mas acredito que deva ser em relação a toda nossa história. Dia de lembrar o quanto sofremos e coisa e tal. Ai você pode pensar: Pô, você é negro e não sabe muito sobre o dia da consciência negra? Se for pra lembrar a minha história apenas dia 20, não. O grande erro é acreditar que o dia 20 causa algum impacto na sociedade quando não causa. Vejo muita gente brigar pelo feriado do dia 20, pra que, para que no feriado seja apenas um feriado? Temos vários feriados, não que o dia 20 não seja importante, mas como ele é visto sem dúvidas é apenas mais um feriado. No dia 20, sábado, os negros vão marchar por algum objetivo, mas e depois do dia 20? Vão esperar o outro dia 20? É bem assim que funciona, assim não da pra acreditar na causa. Acredito que deva haver sim busca por oportunidades, inclusão e respeito. Mas tudo sempre vem com reclamação. Ao longo desta semana acompanhei uma discussão sobre um comercial de TV que foi questionado por não ter um neném negro, o bacana é que de um lado eu estava numa comunidade de pessoas que gostam de discutir sobre temas polêmicos e do outro uma comunidade de negros, adivinha? Odeio usar esse termo, mas pra ficar mais claro terei que fazer uso. Em uma comunidade o assunto sendo debatido por “brancos” e do outro lado por “negros”. “Negros” e “Brancos” tem a mesma visão, os brancos falam que os negros querem demais, e os “negros” dizem que os “brancos” não dão espaço. Ai você se pergunta, qual é a tal mesma visão. Um cara comentou que viu um CD de um grupo de pagode que não tinha nenhum branco na capa, que ele achava aquilo um preconceito, e ai? Por outro lado qual será o argumento dos negros? Que a empresa é racista e isso e aquilo, será mesmo? Uma verdade tem que ser dita. Em relação a tal mistura que o Brasil joga para os quarto cantos do mundo é uma farsa. Se o Brasil é essa mistura toda, onde está esse povo na nossa TV? Aí sim estou de acordo. Quando montam uma campanha para Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, sempre usam e abusão da mistura quando na nossa realidade essa mistura é apenas fictícia. É sempre a mesma balela de Pais multiracial, que isso e aquilo. Antes de continuar o papo tenho que fazer uma observação. Vejo muitos negros criticarem e dizerem que existe e de fato existe uma elite branca. E o Troféu Raça Negra é um evento que reúne o que? Todos tem acesso ao evento, todos os negros excluídos ou uma minoria que conseguiu chegar lá? Pra quem quiser pensar nisso está ai uma ótima pergunta. Acredito muito que se nós tivéssemos dado continuidade teríamos muito mais do que temos hoje. O grande problema é reclamar demais, não que já esteja bem e bom, quem reclama demais, esquece o objetivo principal, e acabam ficando presos a reclamações. Fico pensando, o Martin Luther King foi ouvido ou por ser muito chato ou por acreditar que era possível. O Michael Jordan e o Pelé devem ter chegado lá porque alguém os colocou lá e ainda disseram: Já que vocês são negros, deixaremos vocês serem os melhores. Não posso esquecer a Oprah Winfrey, o que posso dizer dela? Pelo menos aqui no Brasil sempre vejo ela retratada como a negra apresentadora, nunca apresentadora talentosa, mas sim a negra apresentadora. Nesse aspecto o valor de ser humano que devia vir antes de tudo foi para o ralo, e o que é mais importante, é sempre lembrar que somos "negros" e "brancos". Tenho uma dúvida, será que alguém vai ao cinema e pensa: O Wagner Moura é um belo ator, devia ser negro ou, o Will Smith é muito bom ator, devia ser branco, será que rola isso? Precisamos principalmente aqui no Brasil são de exemplos. Não temos exemplos, temos sempre o mesmo time atuando e quando alguém novo chega basta o tempo passar e nem parece que mudou, é assim muito rápido. Para incluir temos que mostrar que é possível. E temos que nos preparar para essa oportunidade. O pessoal que citei acima chegou lá não do dia pra noite, foi com muita garra, muita batalha e quem foi que disse que não vai acontecer? Quem disse que não é possível? Si estamos à procura de espaço temos que buscar esse espaço, tem que ter determinação, força de vontade e principalmente acreditar em nós mesmos. Esse discurso que estou vendo em várias comunidades é o discurso de museu, parece que nós negros vamos viver a sombra o sofrimento do passado. Não acredito que devemos apagar nada do que aconteceu, mas olhe onde estamos, será que alguma coisa mudou? Mudou, mudou por quê? E parar e ficar com a bunda no sofá de casa reclamando: Sou negro e ninguém faz nada por mim. Antes de ter suas oportunidades mereça. Mereça todas pelo mérito próprio, pelo teu caráter e profissionalismo. E principalmente sem ter a sensação de que está onde está beneficiado por ser negro. Será que o Obama é Presidente dos EUA por ser negro? Entendo essa sede de termos nossos representantes lá, mas isso gera guerra porque estamos dividindo o indivisível.
Não posso de maneira nenhuma chamar meus amigos de amigos brancos, porque eles nunca diriam que sou o amigo negro deles. Se alguém se refere a você como negro (no sentido diferente de nós), antes de tudo ele não é semelhante teu. E amigo meu amigo, é amigo.
O que realmente falta é consciência nas pessoas e não consciência negra. Essa luta não é simples, sei que com a gente é mais dura ainda, mas quem disse que é impossível?
A batalha está o inicio, vamos à luta.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Eu, o copo de vinho e algumas verdades.


Bom, antes de começarmos a falar sobre essas verdades, é necessário que você olhe pra dentro de ti e anule tudo que veio do lado de fora. O que está do lado externo é o menos importante quando falamos de nós mesmos, quando falamos do mundo real. Muitos acreditam que somos apenas uma experiência do externo para interno. Entende? Serei mais claro, imagine um copo vazio, esse seria nossa vida no inicio, e ao passar do tempo ao vivermos esse copo vai enchendo com essas experiências externas. Só que não somos apenas isso, se buscarmos na literatura encontraremos ensinamentos de séculos atrás onde pessoas já nos ensinavam viver o hoje. Uma prova mais que concreta que não chegamos vazios.

Por um instante esqueça todos teus pertences, tudo que seja material em sua mente. Pare, e sinta apenas você, o que você sente? Nada, estou correto? No inicio é assim mesmo, e sabe por que é assim? Porque o mundo exterior é tão cruel que domina sua mente e faz com que o que realmente exista de melhor em ti (que é você mesmo) fique escondido dentro de ti num lugar onde você mesmo guarda e quando precisa não consegue encontrar. Já sentiu alguém feliz pela simples existência? Já percebeu alguém com tão pouco feliz e você com tanto e se perguntou: O que eu fiz, por que eu não sou feliz? Antes de tudo é importante ressaltar que felicidade é um estado, e esse lance de que dinheiro e pertences trazem felicidade ou são capazes de te fazer feliz é pura balela. Tirando o dia das Mães dos Pais, quantas vezes você disse obrigado por existir, eu te amo, tenho orgulho de você, tenho saudades ou sentiu necessidade de deixar essa vida por alguns instantes para passar alguns momentos com teus Pais ou com os amigos. Ligou pra alguém que realmente é importante para você pra dizer diferença que essa pessoa faz na tua vida? Essas atitudes vêm de dentro, essas sim são reais. Um presente, um objeto é de fora para fora. Agora um abraço apertado um olhar sincero, verdadeiro, são coisas que vem de dentro. Um dia eu estava num evento onde milhares de pessoas foram rezar, eu observando cada movimento naquele ambiente, notei uma garota, devia ter lá os teus 22 anos, ela rezava e chorava tanto, logo pensei; Existe algo divino ali, algo que nunca senti algo real que está lá dentro. Encontrei uma definição para o que é real. É o mesmo que você receber uma carta em manuscrito e chorar ao ler e notar que alguém que há muito tempo não falava lembrou-se de você. Bem diferente de quando você ganha um presente, mesmo que esse seja um sonho. Qual foi a última reunião de família em que sentiu emoção em ver toda família reunida e pensou, que dia abençoado, estou ao lado das pessoas que mais amo na minha vida.

Fico pensando no amor...

Quantas garotas não choram e dizem. Eu te amo para um Justin Bieber/Luan Santana e nunca disseram. Mãe, eu te amo? Alguém pode vir dizer: Mas esse amor é diferente, mas como assim, amor diferente? Sentir amor por alguém que nem sabe da sua existência? Esse sim é o lado de fora, vazio, sem importância, que contamina o lado de dentro.
Dias atrás notei dois senhores conversando no estúdio da rádio, o entrevistado falava: Na minha época não tinha essas coisas de hoje. Era benção mãe, pai, tio, tia e senhor. Hoje, quem fala senhor? Na rua mesmo quando cumprimentava um jovem, era: Olá senhor, como vai, tudo bem?

Por essas e outras encontramos cada vez mais pessoas vazias. As pessoas desistiram do interior delas e valorizam o exterior porque é simples, mais fácil. Esqueceram que respeito e educação, vêm naquele pacote que disse no inicio. O que fazemos com esse conteúdo que já vem dentro de nós? Moldamos, aprendemos e evoluímos com ele.
Já é hora de voltarmos pra dentro de nós porque aos poucos estamos matando o que temos de mais importante e valioso em nós.

NOSSA ESSÊNCIA.

A existência precede e governa a essência. Durante a nossa existência, à medida que experimentamos novas vivências redefinimos nosso pensamento, adquirimos novos conhecimentos a respeito da nossa essência.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O Solista



Queria poder falar tudo que desejo sobre este filme, mas o melhor ainda é indica-lo. Quando tiver um tempo, assista. Não apenas assista, sinta está obra fantástica, daqueles filmes em que no final você sente algo diferente dentro de ti. É um filme que fala de amor em que se acredita, comprometimento, amizade, lealdade. De como podemos ajudar, transformar a vida de alguém sendo um amigo, ou uma companhia.
A condução fica por conta de Robert Downey Jr e Jamie Foxx. Downey Jr nem precisa de elogios, Jamie Foxx mostra o porquê mereceu o Oscar pelo filme Ray (baseado na vida do cantor Ray Charles). Show de interpretação de ambos, da pra sentir a química dos atores em cena. Emocionante, magnifico, verdadeiro.

Quero apenas deixar dois trechos que me emocionaram.

“Foi uma experiência incrível, tudo aquilo o dia todo. E se você tivesse visto ele, sentido ele. É algo tremendo, incrível, e eu fiquei olhando pra ele, e quando tocaram eu disse: Meu Deus tem algo superior aqui, ele vive nisso, eu nunca vivi algo assim, nunca vivi algo igual, eu mal posso dizer, nem sei como se chama. E estar lá com ele daquele jeito, e ver como ele se transporta, ele se entrega. Nossa, eu nunca amei nada na minha vida do jeito que ele ama a música”.

“Eu aprendi a dignidade em ser leal a algo em que se acredita, e se prender ao que se gosta. Acima de tudo acreditar sem pestanejar. Que é isso que levar você pra casa”.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Jesus, o que é isso?

Há algumas semanas atrás, postei algo relacionado ao despreparo dos jovens em relação à libertinagem atual. Cometi um grave equivoco, não são apenas os jovens, alguns adultos também estão totalmente despreparados para o mundo “free”. O Brasil que cresce a passos de tartaruga pra chegar em um nível considerável tem que melhorar muito, mais muito mesmo. Ainda não aceitamos o fato de que vivemos meio a uma sociedade preconceituosa, prepotente e hipócrita. Essa “gentinha” atrasa ainda mais um País que tem vontade de crescer, mas que não orienta e educa seu povo de maneira adequada. Se tratando da internet que ainda não nos serve muita “segurança”, muita gente acredita que pode pintar e bordar literalmente. Estou começando crer que com tanta informação a nosso dispor está tornando o povo retardado por excesso de informação ou por pura falta de informação mesmo. Começaremos com a Universidade Estadual Paulista (UNESP) onde alunos durante o festejo chamado INTERUNESP (Encontro dos campos para torneio esportivo e muita festa) realizado este ano na cidade de Araraquara - SP promoveram a brincadeira denominada “RODEIO DAS GORDAS”, onde o objetivo claro era montar e ficar o máximo de tempo sobre as garotas (gordinhas), de fato não foi muito bem visto por parte de muitos alunos, gerando um grande problema. Interessante é que eles foram tão criativos que até criaram uma comunidade no Orkut para incentivar, fazer apostas e discutir o tema. Claro que depois que o problema se tornou gigantesco o criador fez o favor de apagar a comunidade, óbvio.

Video sobre o assunto


Outro caso interessante para ser analisado foi o comentário descabido feito por uma estudante de Direito após as eleições.




Será que somente esta mente insana nota que está tudo errado? Nem na minha época de colegial tínhamos brincadeiras ou comentários desse nível. O problema está na liberdade, hoje tudo pode, sem limites, faço o que quero quando quero. E muito se fala em punição, punição e nada. No caso da moça que ficou famosa (Dona Geisy), os olhos se voltaram pra fama e esqueceram que atitude como aquela dos alunos da UNIBAN não deve ser tolerada. Mas no País do CARNAVAL, BUNDA E FUTEBOL, é só passar a borracha que o povo esquece. Não podemos esquecer que a USP também teve um caso semanas atrás, aliás, vários casos de preconceito, na realidade homofobia pra ser mais exato. Assuntos como esses sim deviam ser discutidos nacionalmente, mas quem vai discutir esse desvio de comportamento? Um homem que sobe nas costas da uma mulher como se ela fosse uma vaca ou égua que seja. O que pensar ou esperar de uma pessoa dessas? Se é que podemos chamar isso de gente. Esse é o Brasil por baixo dos panos, até chimpanzés não teriam comportamento semelhante. Se fosse pra falar estenderia o texto até o fim dos dias, pois vejo como inaceitável comportamento incompatível com o que almejam os alunos de ambas as instituições.

Pra fechar um trecho do sucesso da Dupla Munhoz & Mariano

Cowboy Arretado

Quem aqui já mato aula pra toma pinga em posto de gasolina?

Eu não saia do posto.

Meu Pai paga minha faculdade, não quero ser doutor não nasci pra estudar.

Eu sou formado no meio da putaria nos postos de gasolina, eu saio para “farria”.

p.s. Não tenho palavras....

p.s. Rezo pra que isso não exista mais quando eu tiver meu filho (a) cantou tá ferrado.

Acorda Brasil part. 2 Paulo de Faria


Dando continuidade ao assunto atendimento, agora farei algumas observações sobre o lugar onde moro. Paulo de Faria, interior de São Paulo, cidade simples, gente “educada” e festeira. Pra que tenha uma ideia mais completa da localização e informações sobre minha cidade clique nos links a seguir:

http://www.paulodefaria.sp.gov.br/index.html

http://www.camarapaulodefaria.sp.gov.br/

Pra ser bem sincero, eu adoro minha cidade, com tempo aprendi que não tenho porque criticar onde vivo, mas fazer observações e apontar possíveis erros para possíveis melhoras é um compromisso que tenho com esse lugar que quero tão bem. E quem morou aqui ou em qualquer outro lugar e não sente orgulho de onde nasceu não representa nada pelo menos pra mim. É como um brasileiro abraçar a bandeira dos EUA dizendo que tem orgulho (Pior que tem, Jesus Cristo). Em relação ao atendimento, aqui é bem interessante, é o mesmo problema de pessoas que não entendem de atendimento. Na realidade falta ter mais atenção com o atendimento, tem gente que se preocupa mais em ter um monte de detalhes no estabelecimento do que ter um bom atendimento. O povo aqui é receptivo, mas não valoriza nossa cultura, o nosso forte, aquilo que falta fortalecer. Na verdade Paulo de Faria parece pelo menos para mim uma cidade cópia de outros lugares. Entendo que o ser humano é referencial, mas porque não podemos nos tornar referência? Muito do que temos aqui é uma ideia que veio de algum outro lugar. Sempre ouço por ai: Cidade tal fez isso e foi bom, vamos fazer aqui também, sempre adaptando de alguma forma. Isso é bom, mas quando em excesso fica ruim. Temos prainha, campo de futebol (de dar inveja), festa do peão (2º mais antiga do Brasil), um povo festeiro e animado, sempre presente em todos os eventos. Sobre a festa do peão parece que agora alguém acordou e notou que o caso é sério, acho que notaram em tempo, espero. O comércio oferece somente o necessário e quando se trata de satisfação percebo nessa questão a falta deste ingrediente tão importante que muda tudo, completamente. Acredito que cidades pequenas com menos de 10 mil habitantes como a minha, devem se unir, e aqui é tudo muito dividido, cada um se importa apenas com seu lucro, a cidade pode estar indo pra pior e mesmo assim ninguém se preocupa a não ser com o próprio umbigo. Esse egoísmo é o que estraga tudo, não deixa na funcionar da maneira como deve funcionar. Com isso, o que estamos assistindo é a ausência cada vez mais constante das pessoas daqui, cada família resolve seguir um rumo deixando nossa cidade por inúmeros motivos. Pergunto-me, quem devia se preocupar com essa decrescente de população? Nós (população), o senhor administrador atual? Particularmente me preocupo muito, não que eu vá ficar aqui o resto da minha vida, pois tenho meus planos e objetivos, mas aqui é o lugar que eu nasci e cresci, e notar que aos poucos a cidade está parando diante dos meus olhos e não poder fazer nada é triste. O que é mais triste é notar que a cidade tem potencial, tem gente com ideias brilhantes, pessoas do bem que querem participar, dar aquela injeção de ânimo e nada, ninguém olha ninguém da bola. Não sou daqueles que tem aquele discurso: Essa cidade tem que acabar mesmo, aqui é ruim e isso e aquilo. Não, está errado, não é bem por ai. O grande problema daqui é o individualismo, ninguém quer ganhar em conjunto, sempre alguém quer o solo, ambição essa que não ajuda em nada nossa cidade. Pessoas que não trabalham o conjunto e vivem de autopromoção, é tal de eu fiz aquilo, eu trouxe isso e ninguém é parceiro de ninguém. Talvez isso explique a situação na qual estamos atualmente. Sobre administração da cidade eu nem entrarei no mérito da questão (não tenho opinião formada sobre a administração, ainda). Precisamos de ação contínua, é o que falta, é hora de parar com esse egoísmo doentio e nos preocuparmos com nossa cidade, com nosso povo. Pode ser que eu esteja equivocado em alguma colocação, mas enquanto a o individualismo continua eu vou tomando nota e quando alguém vir a público dizer que precisamos fazer alguma coisa terei todos os pontos anotados, nos mínimos detalhes. E se hoje não está bom à culpa vem de erros passados, isso é importante observar. Hoje sempre será o resultado das atitudes passadas. Sendo assim quero deixar claro que não estou responsabilizando A ou B, a questão já não é notar, mas sim aceitar que uma atitude deve ser tomada antes que seja tarde demais.

p.s. Não sou critico apenas observador.
p.s. 2 Quando coloquei "educadas", evidentemente quis dizer que existem pessoas muito mal educadas, e a culpa dessa falta de educação tem nome, prepotência.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Atenção Brasil

Sempre tive vontade de fazer algumas observações sobre o Brasil, mas sinto que ainda não tenho propriedade para tal.
Mas pra falar sobre o lugar onde vivo, onde circulo e minhas experiências, é claro que posso.
Estamos acostumados a ver um Brasil rico nas suas belezas naturais, diverso, bonito, simpático e acolhedor (Isso é um claro sinal que eu vejo televisão ainda). Bom, pelo menos nas propagandas a gente vê isso. Estamos bem próximos da copa do mundo. Ai você pode pensar: João, ainda temos quatro anos até lá, está longe, mas para os problemas do Brasil estamos há dias do evento esportivo mais importante do planeta. Um dos problemas do Brasil, o numero um na minha humilde opinião. Atendimento. Se tem algo em que o Brasil é péssimo, é o atendimento. Se o Brasil é um País acolhedor, deve ser para quem vem de fora mesmo, porque pra quem mora aqui, o caso é sério. Quem nunca passou raiva com atendimento nos mais variados seguimentos levante a mão, por favor. Temos muita gente pra fazer o serviço, mas o grande problema é que essa gente é mal preparada. Eu fico maluco com atendimento padrão, você já deve ter sido atendido por alguém com frases prontas e respostas automáticas, sem relacionamento com o cliente. Da pra contar nos dedos os lugares onde você realmente sente prazer em sentar pra comer ou beber alguma coisa, e com a falta de opção, você vai e engole o sapo. Ambiente onde você se sente vigiado, não que eu esteja dizendo que sou negro e bla, bla, bla. Não tenho problema com isso até porque pergunto numa boa, algum problema em ficar aqui? O que realmente me faz crer que o atendimento é péssimo é a expressão da pessoa, você sente que não existe satisfação em estar ali, o comportamento, o tom da voz e o desprezo. Quantas e quantas vezes você não se sentiu desprezado num ambiente, esperando aquela cerveja há horas. É a famosa festa onde o organizador recebe 800 pessoas e chamar uns 10 garçons. Fica evidente o fiasco. Não quero generalizar, pois temos aqui excelência no atendimento, mas não é geral, apenas em alguns pontos e seguimentos. A hotelaria é boa, ainda está longe de ser ótima, pode ser muito, mais muito melhor. Agora, você poderia perguntar, e o que você entende de atendimento? Simples, levo comigo uma palavra que ajuda e muito. Satisfação, quem passa por mim tem que ter satisfação, quem fala comigo tem que sentir o diferencial, e é isso que falta aqui na região onde moro. Estou localizado próximo à cidade de São José do Rio Preto, lugar onde frequento muito. Uma cidade com mais de meio milhão de habitantes acredito, ainda peca quando o assunto é atendimento. Eu quando estou em algum ambiente eu observo cada detalhe (talvez seja um defeito ou qualidade, depende de quem vê.) forma de atendimento, maneira de tratamento, tempo para atendimento e etc. E como os filmes retratam nossa realidade é bem interessante. Imagine a cena de um filme onde você entra em alguma loja e vê a atendente toda sorridente atendendo a Senhora com sua bolsa “Louis vuitton”, quando derrepente, ela nota que você chegou e faz aquela cara de: Lá vem aquela que só olha, olha e no fim leva uma blusinha. Entendeu a questão? Não estou sendo preconceituoso e nem discutindo questões raciais, a questão é bem clara. No Brasil o argumento está no BOLSO. No meu mundo o atendimento dado a uma pessoa que faz uma compra de 1000 reais é o mesmo pra quem compra um refrigerante de latinha. Essa desigualdade é notável nos olhos dessas pessoas mal preparadas. É como ir em alguma loja e logo você tem duas situações: 1. A atendente chega e diz: Olá senhor (a) bem vindo à loja tal fique a vontade qualquer dúvida é só chamar. 2. Oi, já foi atendido, quer alguma coisa? Na primeira você sente liberdade para conferir, desfilar, observar, escolher. Já na segunda, a impressão é que se você não for comprar, não encha o saco. Tirando esses detalhes básicos, existe a educação que precisa ser melhorada, oferecer comodidade, respeito que todos merecem e principalmente satisfação, para que o cliente seja lá onde for saia de lá com aquele sentimento; Eu vou voltar com os amigos e trazer a família também. A impressão que tenho é que atendentes e clientes muitas vezes falam línguas diferentes, um paga e se acha dono do mundo, enquanto o outro recebe, mas não leva desaforo pra casa. Além de milhares de pessoas mal informadas que existem por ai, trabalham e ainda assim não sabem dar uma informação correta. Tá vendo o quanto é difícil! Mais a gente chega lá, eu confio e acredito.

p.s. Logo trago a parte 2 do assunto, esse é o ínicio.


p.s. 2 Dia histórico, temos a primeira Presidente mulher do Brasil.

Honestidade

Antes de começar o post sobre esse assunto quero deixar uma frase para reflexão.

“Honestidade não se promete se pratica”

Existem vários tipos de desonestidade, contudo não temos como colocar na balança pra avaliar qual seria menos grave. Todo e qualquer tipo de desonestidade é grave. O simples fato de ser desonesto já diz muito a seu respeito. Dentro de uma análise detalhada, cheguei à conclusão que a desonestidade vem de fora para dentro, e não de dentro para fora. Desonestidade se da quando existe uma oportunidade, ou seja, você escolher ser ou não honesto. Já conheci várias pessoas nesse pedaço de vida, e é perceptível a honestidade na grande maioria, pessoas que sabem que desonestidade atrasa nos tornando pequenos e medíocres. Ainda assim não posso deixar de alertar que existe muita desonestidade por ai, e como existe. Desonestidade não é doença, desonestidade é falta de vergonha na cara, desonestidade é marca registrada de quem só quer levar vantagem, gente com conversa mole. Não sou nenhum especialista, mas noto de cara quando sinto o sujeito desonesto. Enrolação é um dos artifícios de quem é desonesto, sem julgar, mas quem precisa fazer ou entregar algo e demora demais sempre dando desculpas aleatórias é um dos praticantes da desonestidade. Mas a intenção é falar de honestidade, isso sim vale a pena ressaltar, é bonito e lindo. Certa vez se não me engano em abril deste ano, fui ao supermercado comprar algumas coisas pra passar um final de semana com os amigos. Uma cervejinha e adicionais. Após a escolha do necessário fui pagar, depois de toda matemática do atendente, lhe entreguei o dinheiro e fiquei esperando o troco, quando ele me olhou e disse: Tá certo. Olhei com atenção nos olhos dele com sinal de reprovação, ele questionou: Você me deu 20 reais, correto? Eu disse: Não, foram 30 reais querido. Ele então insistiu na quantia de 20 reais, e como odeio discutir, encerrei ali dizendo: Ok, foram 20 reais, não vamos discutir por conta de 10 reais, não acho justo, seria ignorância demais da nossa parte. Sai com sentimento de que eu devia ter insistido também, afinal eram apenas 10 reais, mas os meus 10 reais. Fiquei pensando, ou ele é desonesto demais (algo que realmente duvidei) ou ele não conferiu direito quando entreguei o dinheiro pra ele. Chegando em casa contei pra todos, afinal eu estava indignado, me senti lesado (sério, fiquei puto mesmo). Fiquei relax, fui curtir o final de semana. E qual não foi minha surpresa, três meses depois encontrei com o atendente (obs. Se trata do dono do Sup.) Ele me cumprimentou e de cara disse: Rapaz preciso pedir desculpas, (Eu já tinha realmente esquecido do acontecimento) aquele dia eu não olhei direito, depois olhei com calma logo quando você saiu, e você realmente tinha me dado 30 reais. Pediu que eu voltasse para retirar o dinheiro, falei que iria, mas novamente esqueci e continuei minha vida. Dias atrás fui cortar o cabelo, passei na frente do Sup. Mercado, ele me avistou e pediu pra um funcionário me chamar. Chegando lá ele disse: Sumiu daqui, não compra mais, fico chateado com aquele negócio do dinheiro? Disse que não, é falta de tempo mesmo, de fato é mesmo. Abriu o caixa tirou 10 reais e me entregou, pediu desculpas e eu fiquei sem graça porque tinha muita gente lá dentro. Ele me disse que não esqueceu de maneira nenhuma. Quando sai de lá fiquei pensando, diante da atitude dele os 10 reais não tiveram valor nenhum, fiquei muito feliz, afinal não é todo dia que a gente tem oportunidade de sentir a honestidade de tão perto.

Com isso aprendi;

Seja o que for, seja sempre honesto, antes, porém com você mesmo primeiro.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Canecas e Xicaras

Acredito que nunca havia dito por aqui que tenho uma “quedona” por canecas personalizadas. Canecas e xicaras também, e desde muito tempo, só não tinha notado isso. Acho legal tomar um café, leite ou chá em algo personalizado. Eu gosto mesmo, é bem sério esse lance. Também tenho uma queda por eletrodomésticos, mas isso é papo pra outro dia.
Bom dia para todos nós, que tenhamos um dia repleto de bons acontecimentos e ótimas notícias. Viva!

Ser é Escolher-se


Para a realidade humana, ser é escolher-se: nada lhe vem de fora, nem tão-pouco de dentro, que possa receber ou aceitar. Está inteiramente abandonada, sem auxílio de nenhuma espécie, à insustentável necessidade de se fazer ser até ao mais ínfimo pormenor. Assim, a liberdade não é um ser: é o ser do homem, quer dizer, o seu nada de ser. (...) O homem não pode ser ora livre, ora escravo; ele é inteiramente e sempre livre, ou não é.

Jean-Paul Sartre



A vida me ensinou...
A dizer adeus às pessoas que amo,
Sem tira-las do meu coração;
Sorrir às pessoas que não gostam de mim,
Para mostra-las que sou diferente do que elas pensam;
Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade,
Para que eu possa acreditar que tudo vai mudar;
Calar-me para ouvir;
Aprender com meus erros .
Afinal eu posso ser sempre melhor.
A lutar contra as injustiças;
Sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo,
A ser forte quando os que amo estão com problemas;
Ser carinhoso com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar;
Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos;
Perdoar incondicionalmente,
Pois já precisei desse perdão;
Amar incondicionalmente,
Pois também preciso desse amor;
A alegrar a quem precisa;
A pedir perdão;
A sonhar acordada;
A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade;
A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar;
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas", embora nem sempre consiga entendê-las;
A ver o encanto do pôr-do-sol;
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser;
A abrir minhas janelas para o amor;
A não temer o futuro;
Me ensinou e esta me ensinando a aproveitar o presente, como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesmo tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher...

Fênix Faustine

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Juventude Transviada

Quero dentro de um argumento justo e claro lançar minha ótica sobe o comportamento da juventude atual.

Eu quando jovem, tinha um comportamento totalmente inverso do qual vejo na juventude atual. Talvez seja porque na minha época não tínhamos tantos recursos como existem hoje. Celular era um sonho para poucos e internet mal ouvíamos falar sobre. Então a diversão tinha que realmente ser alternativa, coisa de criança mesmo. Brinquedos, futebol na rua, esconde-esconde, pega-pega, bete e enfim. Agora me pergunto. Onde foram parar esses costumes? Por que crianças não brincam como crianças? Quem são os verdadeiros culpados por esse extermínio da infância? Nos meus 15 anos de idade, tinha hora para voltar pra casa, hoje, o que vemos são a grande maioria nos seus 15 anos fazendo movimento em festas e acontecimentos sociais.

Antigamente garotas de 13 brincavam de bonecas, hoje noto CRIANÇAS de 13 que não aceitam serem chamadas de crianças. A pergunta nesse ponto já pode mudar de o que está acontecendo para, pra onde isso está caminhando. Não vejo com bons olhos esse salto gigante no comportamento infantil. A precocidade é assustadora, e está escancarada nos olhos da nossa sociedade que, parece ou não se importar ou acreditar que seja comum. Não vejo como algo normal essa exposição descomunal em que crianças e pré-adolescentes se submetem. Faço um desafio, busque no Orkut ou YouTube que vai encontrar material suficiente para o sustento da minha afirmação.
Será que inclusão digital tem culpa considerável por conta desse comportamento incomum dos jovens atuais?

Afinal, os jovens atuais estão realmente preparados e prontos para mergulhar de cabeça nesse infinito digital? Na minha humilde opinião sem querer ser chato, digo de cara. Criança não sabe filtrar informação, separar o bom do ruim. Falta educação, falta filtro pra essa molecada, isso mesmo, moleque que se acha adulto, é chegada a hora de baixar a bola desses pirralhos. Dias atrás tomando uma cerveja conversando com um amigo, um garoto lá com seus 13 anos aproximou-se e disse:

Garoto – O Tio, me da um cigarro ai.

Eu – Filho, você tá doido, não tenho cigarro e não fumo.

Garoto – E esse na mesa é de quem?

Eu – Do moço aqui, peça pra ele (deboche).

Garoto – O mano, da um cigarro pra mim?

Meu Amigo – Vai cresce primeiro moleque, rapa daqui.

Garoto – Eu sei fuma, da um cigarro ai, larga de ser ruim.

Meu amigo – Cara, você acha que é homem pra falar uma coisa dessas, vaza, rapa, vou te dar nada, some.

Garoto – Você vai morre fumando, você vai ver.

Meu amigo – Tá me deixa morrer, vai brincar, vai.

Olhando aquele menino logo pensei em abandono, desprezo. Indo de mesa em mesa pedindo um cigarro, terrível. E essa é a história que eu vivi, imagine outros milhares que não existe Brasil a fora, triste realidade. Aqui no mundo sem fronteiras (internet) o caso é sério. Poucos percebem, mas é questão de ordem, enquanto não houver ordem vai continuar essa bagunça sem fim. Existe uma rede social com nome de formspring, nessa rede você cria um perfil e pode receber perguntas, responder e fazer. A intenção é descobrir de modo informal informações sobre uma pessoa ou empresa. Sem generalizar, alguns transformaram aquilo num recinto de perguntas sexuais sem limites. Desde perguntas do quilate. Qual a posição que você mais gosta a com quantos homens/mulheres você já transou. Alguém pode ler e dizer, você está exagerando. Simples, leia, de uma mergulhada na rede, é capaz de encontrar perguntas ou respostas que você pode imaginar. Eu nunca diria uma coisa dessas. Imagine se eu fosse comentar a twitcam do twitter, nem vou entrar no mérito. A questão geral é que a juventude não tem noção do limite de exposição, o pensamento funciona no quanto mais, melhor. E dá-lhe exposição, e esquecem que a internet não esquece nunca.

Novamente digo, não sou contra o uso da internet ou das redes socias. Sou contra o uso incorreto delas. Não acredito que deve haver censura na internet, mas sim um controle, uma ordem. Pra tudo existe uma ordem, e porque não na internet. É chegada a hora de varrer o lixo existente para seu devido lugar.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Ingênuo e Madrugada na TV

Como já faz muito tempo que não escrevo algo relativo aos acontecimentos dessa terra, hoje iremos por esse caminho. De hoje em diante mudarei a maneira de postar, falarei de vários assuntos num post só, sem bagunça pra ser bem compreendido.

Acabo de ver uma matéria em uma das emissoras de canal aberto que traz muita qualidade na sua programação para seu público (tá bom, estou sendo irónico), é um desses (único) programas que desfilam os horrores cometidos por nossa gente. Bom, se você costumar ver TV na faixa das 18h00min, já deve saber de qual programa estou falando. Em um dos casos, o repórter coloca diante do fato que a vítima vinda do interior muito ingênua foi presa fácil. Oras minha gente, quem disse que o povo do interior é ingênuo?
A questão não é o caso da menina assediada, mas sim esse tal ingênuo que vive circulando na TV fazendo com que milhares de desinformados, incluindo esses que afirmam sem realmente saber o que estão dizendo acreditem nessas informações no mínimo babacas. Certo dia vendo o programa do Jô, que recebia uma atriz que não lembro o nome agora, ela não mora mais no Brasil, mas é daquelas mulheres que já tem toda uma história na TV.
Essa também comentava junto ao apresentador, que quando criança no interior e isso e aquilo, retratando o povo das cidades pequenas como pessoas totalmente ingênuas. O que eu acredito que exista, é uma confusão, pois crianças sim são ingênuas, mas são todas. E as pessoas estendem esse discurso como se as pessoas do interior fossem no geral ingênuas.
Adulto ingênuo eu acredito que seja quem não tem conhecimento algum, mas em qualquer situação ou canto do mundo você pode encontrar alguém com esse perfil, mas logo afirmar que pessoas do interior que migram para capital são ingênuas demonstra um ar de superioridade, não acha? O problema que vejo nessa questão é essa tal superioridade de alguns, e paulista tem muito disso. Dias atrás vendo uma entrevista com um médico no programa Provocações da TV Cultura, ele disse que o maior problema que vê no paulista é esse ar de superioridade, não quer discutir nada, ele diz e tá certo.
Ah, detalhe, o médico é Paulista, e ainda continuou: Se não discutirmos de nada adianta, por isso o povo continua desinformado, e essa é a maior deficiência de um povo, falta de informação. O que difere o interior de uma capital no meu ver, é o acesso à pluralidade cultural oferecida nessas grandes cidades, do mais não existe tanta diferença porque é uma questão de cultura local, onde cada um te a sua.

Na madrugada

Tenho uma relação de amor com a madrugada, eu amo a madrugada. E digo que não há momento mais interessante para falar e sentir a vida. Nessa madrugada tive a infelicidade de ligar a TV. Infelicidade porque a TV aberta passa por uma decadência.
Está dando trabalho escolher algo de qualidade para assistir. Vejo a TV como veículo realmente para a massa, mas sem apelação como estamos vendo. O lance cultural tem que ser no aspecto informativo, pouco se vê isso na TV, programas chatos um atrás do outro, e quando você acha que já viu tudo, me vem alguém que você não espera adicionar mais merda no que já está fedendo.
Veja que nessa madrugada, hoje mesmo 15/10 o programa do Jô, tinha um cara falando de sexo anal, mas de forma explicita, num nível para sem vergonhas mesmo. Nessa entrevista, ainda descobri que sexo sem sexo oral não é sexo completo (atenção mulher, se você não tem costume, sinto informar, mas você não está fazendo direito). Uma mulher perguntou sobre sexo oral que eu no meu quarto sozinho fiquei com vergonha, isso é um assunto mais particular, não assim escancarado para qualquer um ver e seguir essas tais regras. Depois de muita vergonha fui pulando os canais.
Na Rede Record um programa com pastores que mais parece um programa de tendência, analisando a questão do corpo perfeito (já vi esse assunto umas 1000 vezes) tendo como base a bunda, isso a bunda (“como ser humano não posso aceitar uma coisa dessas”). Nesse, eles mostravam uma mulher loira com uma bunda do tamanho de um carro desses de passeio, e a tal mulher é famosa por causa da bunda gigante evidente, que sentia orgulho em dizer que colocou a bunda no seguro e, caso aconteça algum acidente a seguradora pagaria. Não que eu tenha algo contra a mulher ter um afeto pela própria bunda.
A questão é que, e daí? Quem quer saber da bunda da dona Joana? Tirando que a TV vive de modinhas, e a do momento sem dúvidas são os caras que saíram do centro da terra no Chile, os caras ficam definitivamente POP. Claro que tem muito do que comemorar afinal os caras foram heróis, mas com isso o nosso País acaba esquecendo que a coisa por aqui tá feia. Falar de sexo anal, bundas e mineiros, as emissoras gostam, mas abrir o jogo e discutir a falta de segurança, de saúde e educação nada, também é necessário manter o povo nesse nível de programação, assim é mais fácil sucumbir.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

É você


É você meu desejo
Mais gostoso de viver
Você é o meu segredo
Meu prazer
A maior felicidade que encontrei
Um amor que na verdade acreditei
É quem faz bater feliz meu coração
Pra você eu entrego minha vida em suas mãos
Faz de mim um prisioneiro da paixão
Só eu sei como eu preciso de você
Eu não posso nem pensar em te perder
Eu confesso que te amo, meu amor
Olha nos meus olhos
Sem você não sei viver
Jamais pensei amar assim
Não tenho mais palavras pra dizer
Meu bem, você nasceu pra mim


Exaltasamba
p.s. Só pedir que o vento leva até você.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O Amor

Há tempos que quero falar sobre o amor, na real o amor existe? Você já sentiu amor? Como é sentir amor? São tantas perguntas, e uma única resposta. Amor é pra sentir, não pra entender. Busquei por muito tempo lendo, tentando entender o amor, e no fim eu entendi que só basta sentir, e quando a gente sente amor de verdade é incrível, não tem explicação, e mesmo que utilize todas as palavras do nosso extenso vocabulário não conseguirá explicar o amor. O amor tem todo um detalhe, quando você ouve a voz, quando você olha nos olhos, quando senti a respiração subir, o coração vem descompassado com fome de desejo. Sair caminhando na chuva sentindo cada batida do coração, como se tivesse pulado no infinito do amor. Você ri, acha graça, desejando uma parada no tempo pra que permaneça no estado de amor incondicional. É difícil encontrar palavras para definir esse estado de sentimento que incomoda, é o amor realmente incomoda, porque é grandioso, faz com que você apenas pense no amor, na forma do amor. Tenta decifrar de onde vem tanto sentimento, de fora para dentro, ou de dentro para fora? E, quando você encontra alguém pra dividir esse amor, fecha os olhos e se deixa levar pelos caminhos do inacreditável, fazendo com que corpo e mente andem no mesmo passo. Falar de amor é falar de algo mágico, raro, inexplicável, colossal. O AMOR é a majestade de todos os sentimentos. Nunca verás o amor, mas quando sentir saberá exatamente separar de qualquer outro tipo de sentimento, o amor é único e capaz de transformar a tua vida.
Mesmo que por alguns instantes, ame, sinta, de amor.

É isso que tenho dentro de mim.

Amar é voar até o infinito com você nos meus braços.


GEORGE STRAIT - I CROSS MY HEART



p.s. Essa música é Tudão...rssss

p.s. 2 A música compreende tudo.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Bob Sinclar - What A Wonderful World




Imagine
Imagine yourself not feeling any pain
Not feeling any sufferings..
But feeling good and feeling free in your mind
Imagine yourself floating in the air
Put your arms out like an eagle...
And you're flying around..
And everywhere you see there are people and the people
are smiling
And everyone is having a good time
And the people are loving one another
Sharing with one another
Imagine a world where there is
Only peace, where there is no anger,
Where there is no hate, where there is no war,
Imagine a world that is full of nothing but love
And full of nothing but joy
This world is something that we need
Imagine!
What a wonderful, wonderful world
Imagine a world
With no color
Everyone will respect one another
Imagine a life with no ending
Everyday will be a new beginning
A life that is happy and strong
Full of things that`ll never go wrong
So come on let`s hold, get together
And let's sing this song forever
What a wonderful world
This will be


Imagine
Imagine você não sentir nenhuma dor
Não sentindo qualquer sofrimento ..
Mas sentindo-se bem e livre em sua mente
Imagine você flutuando no ar
Ponha seus braços para fora como uma águia ...
E você está voando...
E em todos os lugares que você olha
existem pessoas
e as pessoas estão sorrindo
E todo mundo está se divertindo
E as pessoas estão amando umas às outras
Partilhando um com o outro
Imagine um mundo onde exista
Só a paz, onde não há raiva,
Onde não existe ódio, onde não há guerra,
Imagine um mundo que não tem nada além de amor
nada além de alegria
Este mundo é algo de que precisamos
Imagine!
Que maravilhoso, maravilhoso mundo
Imagine um mundo
Sem cor
Toda a gente se respeita um aos outros
Imagine uma vida sem fim
Todos os dias será um novo começo
Uma vida que é feliz e forte
Cheia de coisas que nunca vão dar errado
Então vamos deixar a espera, se reúnem
E deixe a cantar essa música para sempre
Que maravilhoso mundo
Este será

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Debate Record 26/09/2010

A postura do candidato Plínio é interessante.

Acorda pra vida

Bom, já tem muito tempo que não escrevo, melhor eu escrever antes que as pessoas comecem a sumir...rs
Já escrevi sobre o "Quem Sou Eu", e noto a cada dia que passa que, quem sou eu é muito complexo, mais do que a gente possa imaginar.
É como costumo dizer: Quando o assunto sou eu, tudo bem, você sabe definir bem, mas, e quando o assunto é sobre você mesmo?
Existe uma frase de Oscar Wilde fantástica: Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe. Com isso é bem simples chegar onde está o erro.
Temos preguiça de viver, existir é o máximo que achamos que podemos. Agora por que? Essa é a pergunta que você devia se fazer, pare com tempo e olhe pra você e questione, é só isso, ou tem/posso mais?
A pior preguiça da humanidade é pensar, por isso mundo está nesse nível, descontrolado, cada um pro seu lado. Na minha humilde observação o mundo estacionou, e o que temos é violência e gente tentando sobreviver, pois "existir" é sinonimo de TER MAIS, aquele famoso, quanto mais, melhor. Isso adoeceu o povo, que ficou mais violento e esqueceu dentro da mente a única atitude que é importante compartilhar, AMOR.
Lendo alguns textos sobre comportamento humano me deparei com um questionamento muito interessante, nele o autor dizia: "Hoje ao acordar, você disse eu te amo para responsável por você existir"?
"Talvez não, já ensinaram que existe um dia para isso, ou seja, uma vez por ano já está mais que bom". "Ah, hoje é dia dos Pais, não deixe de dar um abraço nele. Pois HOJE é um dia muito especial".
E assim fomos e somos "treinados" dia após dia. Na última vez que tive coragem de ligar a TV, notei que se você passa muito tempo na frente da TV, você acaba virando um zumbi.
É tanta gente surgindo e sendo taxada como importante, que você já não tinha opinião, agora, fica a dúvida em quem acreditar, quem é que pode falar por você. Imaginava quando moleque na escola, que com a chegada da tecnologia o mundo mudaria, pois temos capacidade de criarmos grupos para discussões de variados assuntos e chegarmos num só objetivo, mudança, pra melhor (mudar pra pior que não seria). Na onda que o mundo vai, a mudança está sendo pra pior. A ideia que tenho do mundo é totalmente diferente dessa que existe aqui, a libertinagem está escancarada e ninguém vem à publico dizer: Ei, pessoas, parem, olhem, vejam o que está acontecendo.
Antes quando acontecia um crime, a TV falava um pouco tímida porque afinal gente matar gente já não era lá algo interessante, é triste, covarde. Hoje, tem gente especializada em morte, acordam com aquele pensamento. Alguém tem que morrer pra eu garantir uma exclusiva, já pensou? Podia mudar totalmente minha carreira. O pior já foi plantado na mente da maioria, fizeram acreditar que o mundo não tem mais jeito, nem com a força da nossa união. Mas quando temos copa do mundo e o Brasil ganha, sabemos mostrar a força dessa união, aí sim tem valor, somos convocados para sair pra rua, comemorar para o mundo inteiro ver que o povo mesmo na dificuldade ainda tem motivo para felicidade.
Do jeito que está não da pra mudar a mente, o veneno é forte, e nesse jogo da vida, é você com você mesmo. Faça sua lavagem cerebral, veja o mundo de outra maneira, faça parte do jogo, não seja apenas mais um controlado.

Abra sua mente, permita a mudança. Controle-se

Comece dando um tempo na Tv, leia um livro, sai de casa, converse com os amigos, discuta, aprenda.


Gabriel Pensador - Até Quando




Por isso o mundo está repleto de gente influente, na sua falta de opinião, existem pessoas que pensam por você, e fazem você agir da maneira que eles querem. Ou seja, você é aquilo que eles dizem que você tem ser.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O Outro Lado

Sempre tive aquele pensamento. Podemos ser melhores! Isso martela na minha mente dia e noite, mas por que não somos? O que há de errado com essa gente toda, por que estamos agindo assim? Por que teimamos em achar que somos tão diferentes? Acredito que vou sofrer até o fim da minha vida tentando decifrar esse comportamento que, na maioria das vezes fogem as regras de ser humano. Já parou pra pensar se tudo isso fosse uma grande mentira, fosse apenas um teste para quando chegar a sua hora tudo fosse revelado? Parece loucura, mas tenho minhas teorias sobre a existência, aliás, minha existência. Confidenciarei algo, mas é importante ressaltar que é necessário ter muito cuidado para discutir sobre isso. Quero propor aqui apenas para que abra sua mente para deixar essa dúvida entrar para que você construa novas ideias sobre a vida. Quando crianças, cremos em muitas coisas que “supostamente” não existem, com isso fomos ensinados depois de crescidos que essas histórias existem por algum motivo, parou e ligou as ideias, ou não? Vamos ao exemplo. Natal, quando falamos em natal só temos uma imagem, exato? O velhinho que sai distribuindo presentes e coisa e tal. Em cima disso temos várias histórias e lendas, só que, depois de crescidos somos proibidos de mencionar em qualquer situação que a existência da data e do bom velhinho fosse mentira, é ou não é? Pra mim nada mais é do que a existência da esperança em nós. Agora imagine uma criança que espera o ano inteiro, escreve sua cartinha para o Papai Noel e do nada você diz: Para, isso não existe é besteira. Imagine o tamanho da decepção que você cria na mente de uma criança que teve por base na sua educação sempre obedecer para que o fim das contas ganhasse o desejado presente do Papai Noel. Sendo mais específico, imagine se fossemos questionados de forma global da não existência de Deus. Um dia na sua vida, você parou pra pensar nisso? A proposta não é discutir religião, muito menos duvidar da existência de Deus, mas sim pensar o que causaria em nós diante de tal revelação. O ser humano tem na sua base fé em alguma coisa, pois pra mim fé nada mais é do que crer, e mesmo aqueles que não acreditam em Deus, acreditam em alguma coisa, sendo assim existe fé. Diante disso existe algo interessante, nós acreditamos em nós? Afinal quem somos nós, até onde vai nossa capacidade. Essas perguntas me levam a teoria da existência, por que não discutimos isso, se somos semelhantes fisicamente o que nos tornou tão individualistas. Se, temos certeza da morte, por que queremos TER tanto e deixamos o SER em segundo plano. Aliás, segundo plano, essa é a palavra certa, deixamos o ser humano em segundo plano. Muito se fala em futuro da humanidade, que devemos depositar a confiança de um mundo melhor nas crianças, mas o que elas estão aprendendo com nossas atitudes? A maior prova de que tudo está errado, está no quando nós queremos mostrar que somos melhores um que os outros, invés de somarmos nossas ideias e experiências para construção de uma visão única tendo participação de todos tornando-se uma ideia perfeita. A política mesmo serve muito como base nisso que estou dizendo. Já percebeu que eles não provam avanços significativos para nós, mas sim melhores avanços do que um governo anterior ou que podem fazer melhor do que o atual? E onde nós entramos nessa? Na parte em que somos envenenados todo santo dia com várias informações. Somos domados e perdemos a noção de que unidos somos mais fortes. Se existe esse tal SISTEMA de que muitos dizem, ele é perfeito, conseguiu plantar uma ideia de que juntos nada somos, que importante é você lutar sozinho e quanto mais conseguir melhor, acho que isso tem um nome, não é? E nós não vamos aprender na escola ou lendo um livro a sermos menos egoístas, isso depende única e exclusivamente de cada um de nós. Nosso EGO é o veneno, nos ensinaram acreditar que somos suficientes, mas, esqueceram que, egocentrismo demais adoece, e muito a mente.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Breve tratado sobre Amizade

Parece tão simples falar sobre isso, não é, mas não é nada fácil. Com tempo descobrimos que amizade está além de alguns gestos, sendo bem diferente daquilo que acreditamos. Um dos grandes segredos é o tempo, transformador. Particularmente tenho tido várias experiências interessantes em relação à amizade. Amizade é única e exclusivamente importantíssima, mas ai você diz, óbvio. Mas, quantos amigos você tem? Quem são seus amigos, tem certeza de que são amigos? São perguntas fáceis cujas respostas são um pouco complicadas, pois, esse processo de sentimento, aceitação, reciprocidade se passa dentro de nós. E mesmo que a ciência tente explicar, é inexplicável o que se passa dentro de nós quando gostamos verdadeiramente de alguém. Quando encontramos dizemos pra nós mesmos, esse é “um puta” amigo. Certa vez ouvindo uma homenagem pra um senhor transmitida pelo rádio, tive uma aula sobre amizade. Ao receber a palavra, o homenageado começou seu discurso falando sobre amizade. Imagine um senhor com seus lá 80 anos falando sobre amizade. Ele disse: “Hoje estou emocionado não apenas por essa homenagem tão bonita, como também pelos meus amigos, nada nessa vida é tão importante quanto ter amigos, mas amigos de verdade. Meu Pai, que Deus o tenha já dizia; Meu filho, seja lá o que você se tornar nessa vida, tenha amigos, mas lembre-se que, amigos são pouquíssimos, valorize-os.” Ele estava falando sobre seus amigos que saíram de vários estados do Brasil pra acompanhar aquela homenagem, pois sabiam quanto o momento era especial para “esse” amigo. Realmente, do que adiantara receber uma homenagem e não tem um amigo do teu lado? Depois daquele dia, minha ótica sobre amizade tinha ganhado um novo foco, mais um aprendizado que jamais me esqueceria. Recentemente tenho visto pouca TV, nessas poucas oportunidades acabei assistindo uma entrevista por intermédio de uma informação da internet que teria uma entrevista com kajuru, aquele cara marrento que fala o que pensa e não tem papas na língua. Gosto desse estilo quebra regras. Depois da entrevista, esse cara veio mais uma fez somar, fortalecer meu pensamento sobre amizade. Dando um lindo depoimento sobre seus amigos, sobre o que fizeram para ajuda-lo no momento mais difícil de sua vida. Depois da entrevista pensei; pô, quem são meus amigos o que tenho feito pra eles, o que eles tem feito por mim? O que é amizade, aliás, o que eu estou fazendo? Confesso que sou muito ingênuo (era) em relação à amizade, acreditei que amizade podia ser construída facilmente, e não é bem assim. Nem todos são amigos nem todos querem sua amizade. Vivi parte da minha vida querendo agradar todos mesmo sabendo que nem Jesus agradou, mantive uma postura que hoje posso afirmar com tranquilidade, patética. Talvez alguém pense, é assim mesmo, não tem nada disso, você fez sua parte. Se partirmos do pensamento reciproco é patético da minha parte querer o que o outro não deseja. Mas, em contra partida, eu tenho amigos, que nem sei se falo amigos, gosto de falar irmãos, pois essa amizade se tornou irmandade. Há esses sim, eu devo muito respeito e admiração, pois jamais saíram do meu lado um só segundo, sempre fazendo papel de amigo, pois amigo não é o da festinha, que vai pra escola ou aquele que manda recadinho no Orkut. Como diria o Cap. Nascimento, amizade companheiro, é outra coisa. MV Bill disse uma frase numa de suas musicas que levarei eternamente; “Antes de morrer, talvez você entenda”. Confesso que de uns tempos pra cá fiquei chateado com vários acontecimentos nesse “mundo” amizade, recebi vários conselhos de pessoas que já tinham passado por isso, inclusive uma pessoal muito especial que mora longe, mas sempre me aconselha. Ela foi justa e amiga, simplesmente disse; João, você está sendo infantil, você deseja que as pessoas sejam como você é com elas, acorda que nem tudo é do seu jeito e mais importante, nem tudo é amizade, só passagem, um lance. Fiquei assustado com o depoimento, ela realmente abriu meus olhos e me fez olhar esse universo de outra maneira. Hoje, dia 1 de Set de 2010 amanheceu diferente, pois ontem me peguei pensando, eu me esforço tanto para ser um amigo razoável que me esqueço da reciprocidade. De agora em diante, eu não vou me comportar dessa maneira, serei diferente, melhor pra mim como também para os outros. Primeira lição, parar de cobrar amizade, afinal quem é sabe o que é o quão é importante sabe o que fazer, e sabe qual é sua missão. Fico feliz que muitos não me conheçam porque de agora em diante as coisas serão diferentes. Talvez o grande barato da vida seja se importar, valorizar quem merece e principalmente quem faz por você também.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

O Mau uso da Internet


Novamente venho falar desse assunto tão pouco explorado pela mídia que, sempre explora assuntos de momento. Vendo um vídeo hoje, percebi o quanto faz necessário com máxima urgência de uma moderação no uso da internet, o uso desenfreado está criando um ideal de que na rede tudo pode. Acredito que diante do que vem acontecendo não é bem assim. No vídeo, várias garotas (todas com menos de 18) fazem uma transmissão na famosa twicam (pra quem não sabe é um serviço de vídeo em tempo real oferecido pelo twitter), ou seja, você abre o vídeo e transmite pra quem quiser assistir. Será que só eu vejo que está tudo errado? Bom, nessa tal transmissão elas exibem seus corpos para seu público (masculino, claro) sem pudor algum, com direito a dança sensual e tudo. Eis que, em determinando momento toca o cel. de uma das garotas com a notícia de que a mãe de uma delas está assistindo a transmissão. Gera um grande desespero na menina ao ser informada ali mesmo ao vivo na transmissão “Tua mãe está vendo tudo que vocês estão fazendo ai, desliga isso”. Isso me fez refletir acerca do limite que deve existir, mas ainda não existe para o uso da internet. Não proponho nenhum tipo de censura à internet, mas vejo uma maneira de criar filtros para uso moderado da mesma. Hoje, a internet realmente é um abraço no infinito, tudo que precisamos encontramos muito fácil, tudo de graça. Com um simples click você vai onde você deseja vê o que bem entender sem ninguém te cobrar nada. O único filtro que existe é a idade, ai você entra faz um cadastro com dados falsos e está dentro. Como disse num post passado, à internet ainda é uma criança em desenvolvimento, há muito a se fazer para sua melhoria. Enquanto ninguém discute isso estamos assistindo no horário eleitoral, promessas em relação à banda larga sendo que nem usar internet o povo sabe ainda. Primeiro seria necessário informar o povo que nem tudo vai pra internet, jogamos tudo, nossas vidas, intimidades como se isso fosse importante. O inicio das redes sociais envenenou a todos nós com essa interatividade na qual a ideia central é expor nosso cotidiano, nosso dia a dia. Isso mudou completamente de lá pra cá, e muitos de nós não percebeu. Se entrar no Orkut, numa breve pesquisa você descobre endereços, rotinas, nome de escolas e locais frequentados por milhares de pessoas. Nem é preciso dizer que isso facilita muito para criminalidade, expor objetos de valor, exp.: carros, relógios e etc. É necessário orientar sobre os perigos que existem dentro da internet antes de por em funcionamento a tal inclusão digital. Mesmo porque o uso tem que ser moderadíssimo em relação a tempo, tem gente que fica na frente do computador o dia todo e acha comum. Eu tive experiência própria dos malefícios de ficar “viciado” nisso, a ponto de acordar às 7 da manhã e navegar até às 20hr com sede de quero mais. Não esquecendo que em vários países existem clinicas para viciados em internet, não sei dizer se no Brasil existe, a questão é que vira motivo para tratamento. Um País que ainda está em pleno processo de desenvolvimento no incentivo a leitura, com planos de inserir o povo humilde ou pobre seja como preferir na era digital. Pensando bem, isso pode causar problemas invés de resolver. Por falta de orientação vemos esse uso descomunal se transformar em dor de cabeça pra milhares de Pais. O uso desorientado da internet causa vícios na escrita para quem está no inicio escolar, leva a criança a se interessar mais pelo computador do que pelas lições de casa, ou seja, transforma a mente não só da criança como a de um adulto também se não souber controlar. Ha exemplo disso, temos o twitter quem vem crescendo de forma monstruosa no mundo todo. Qualquer assunto que está na TV vai pro twitter, milhares de pessoas acessam suas contas e ficam horas repetindo a mesma frase, com simples desejo de torna-la mais visualizada pelos demais usuários do serviço em nível mundial. Com isso da pra ter uma ideia do quanto é assustador, incluindo pessoas que não tem a mínima noção dos perigos, vamos formar um exército de zumbis digitais. Pessoas que vão se conectar com mesmo prazer de usar uma droga, pode ser que não seja tão preocupante assim, mas que deve ter um filtro, e principalmente dos Pais deve ter.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Virtualidade


Nas semanas anteriores, estive empenhado fazendo um trabalho sobre influencia da mídia na sociedade, tive a liberdade de escolher o veículo para fazer abordagem, como vivo na internet nada melhor que vasculhar um pouco esse infinito mundinho que nos leva até onde nem mesmos os próprios criadores dessa nova dimensão tem noção. Para não enlouquecer, pois, falar sobre influencia da internet seria uma grande loucura, fui mais específico, redes sociais. Depois de concluir minha pesquisa, fiquei pensando na gama de informações que pude reunir sobre esse mundo mágico que, faz de nós o que deseja sem mesmo a gente perceber que fazemos parte alienação na rede criada pelo próprio homem. Uma frase define bem minha linha de pensamento. Homens criam ferramentas, ferramentas recriam os homens; é disso estou falando, aliás, afirmando. A virtualidade criou um novo conceito, uma nova forma de ver e encarar o mundo. Trouxe do pior ao melhor, interessante ao desinteressante, e o mais importante de tudo, a virtualidade nos proporcionou voz ativa, podemos interagir, criar conteúdo, discutir, construir redes com diversas ideias para chegar num pensamento único. Só que voltando no tempo, percebemos que a internet ainda está crescendo, está na sua fase adolescente, precisa amadurecer pra melhorar ainda, muito. O que vemos hoje é uma propagação de conteúdo sem fundamento, nem tudo claro, existem ótimas informações na internet, mas podemos fazer da internet um ambiente 100% democrático, se continuarmos assim os dias estão contatos, anote isso. Já existe uma lei tramitando que está de olhos nos blogs, ai pergunto, por quê? Quem pensa incomoda, não joga o jogo deles, tem capacidade, personalidade a ponto de criar movimentos e discussões sobre o que é certo ou errado onde podemos melhorar, e assim criamos numa força sem igual. Temos Orkut, Youtube, Twitter e MSN, as redes mais usadas aqui no Brasil. Com isso, temos condições de transformar o País nos unindo falando a mesma língua. Mas o que vemos é só o benefício próprio, ninguém quer agir em conjunto, quando sim, existe uma busca pelo benefício próprio. Existe muito material que pode gerar conhecimento na internet, mas temos muita gente ainda do lado de fora. Pra ganhar essa batalha não é só ter acesso, mas que também tenham conhecimento para absorver todo conteúdo. A realidade está na nossa cara e parece que insistimos em levar como brincadeira, com pensamento do povo do último mundo. Somos responsáveis por tudo que está acontecendo porque não entramos nessa briga por conquista de justiça, pra isso devemos ser mais ativos. A real mudança começa fora da virtualidade, sabendo do real poder dela do que ela pode causa e a maneira mais responsável para seu uso. Ninguém fala disso abertamente acredito porque esse mau uso gera resposta, e como gera. Faça uma pesquisa no conteúdo postado por nós brasileiros nas redes sociais. O que vamos ver está longe de estar num nível interessante, aqui as pessoas acham que tudo é conteúdo, uma barata andando dentro de uma sala é conteúdo. No Brasil, infelizmente estamos passando pela pior fase do virtual, todos querem aparecer, não criar conteúdo, mas sim se tornar responsável por aquele conteúdo pra aparecer. O twitter hoje se tornou um canal exclusivo para “artistas”, ainda longe de ser bem aproveitado. Quem é famoso tem twitter, o resto segue. Isso fez uma lavagem cerebral tão grande que tem gente que faz de tudo para falar com um determinado “artista” ou até mesmo ter o mesmo numero de seguidores. Ainda assim o Brasil demonstra força quando o assunto não tem conteúdo, levando para o mundo assuntos que servem ainda mais de piada para os outros países. É muita ondinha, muita gente "soltando" o verbo como dizem por ai. Estamos em plena política nacional e o que se vê sobre debates nas redes sociais? Os mesmos dois lados da política, os que estão contra lutando contra os que estão a favor. O real é que à virtualidade fantasio a cabeça de muitas pessoas, ainda sonho um dia abrir meus e-mail e ver correntes que tenham propósito e discussões nas redes sociais que passem das modinhas atuais no Brasil.

Existe um cara que ando estudando que se chama Pierre Lévy, o cara defende algo que acredito ser espetacular, o IC (inteligência Coletiva), isso nada mais é que, o uso da internet para troca de conhecimento.
Procure no Google, vai ser uma experiência fantástica.

p.s. Pra quem está achando que já viu tudo sobre tecnolgia, ainda estamos no ínicio.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Forever Strong

Acabo de ver esse filme. Farei um post sobre bem logo. Muito bom, ótimo pra ver com toda família.

Assista.


domingo, 22 de agosto de 2010

Who I am?

Na simples forma de construir meus pensamentos me sinto forte, ainda assim sensível, sem deixar de ser humano.

João Paulo Rubens

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

The Book of Eli



Nossa, quanto tempo faz que não escrevo aqui, está com teia de aranha, sinais de abandono como diria uma amiga. Período escolar complicado, muitos trabalhos e tendo que manter o foco, tirar proveito de todos os detalhes de cada aula. Realmente tem sido uma ótima essa experiência estudar, entender esse outro campo da comunicação. Nunca imaginei que fosse realmente ficar tão fascinado como estou. A publicidade leva a descobrir um olhar que já existe em você, em cada um de nós. Parece que já sabemos de tudo, apenas estamos sendo lembrados do que já sabemos. Lembrou o filme do Mat Damon com Will Smith (Lendas da Vida), que já falei sobre no ano passado. A razão pela qual venho hoje é pra falar de mais um filme. Já faz muito tempo que não assisto a um filme que faça mudar meus hábitos e costumes, ver de outra maneira. Na primeira vez que vi o trailer do filme achei interessante por se tratar de ver o ator Denzel Washington, num filme de ação, mas nesses com coreografias de lutas, bem diferentes dos filmes que ele tem atuado. Ontem na companhia da minha noiva, assistimos a esse que posso afirmar, me surpreendeu totalmente. Gosto de filmes com histórias reais ou que ao menos tenha alguma mensagem, sendo comédia, drama ou etc. O último filme que lembro ter visto e ter ficado encantado foi Sete Vidas com Will Smith que postei comentários sobre aqui também. Antes quero fazer uma breve observação, quando se trata de filmes para o cinema as pessoas tem que entender, compreender que o objetivo é fazer bilheteria e não seguir as regras da história original e bla, bla, bla. Pesquisei sobre a resenha do filme, e pude notar uma serie de criticas à história, oras, mas estamos falando de cinema onde faturar, lucrar é o objetivo, estão querendo público e não fanáticos por histórias contadas com detalhes, até mesmo porque o tempo é curto para tanto em alguns casos. O filme é fantástico, e conta a história de um andarilho que percorre seu caminho por 30 anos buscando um lugar pra deixar um livro (daí o titulo do filme, O Livro de Eli). O filme se passa no período pós-apocalipse onde a terra é devastada, e no desenrolar do filme muito se fala que a culpa para o tal acontecimento com o planeta se da por conta dos ensinamentos do livro. Ok, se você raciocinar um pouco já entendeu de qual livro estamos falando. Numa sequência de lutas bem coreografadas Washington carrega o filme nas costas numa interpretação que da gosto. Numa determinada cena, Eli (Washington) diz uma das frases mais lindas do filme. Ao ser questionado em determinado momento ele diz: “Passei tanto tempo lendo o livro que esqueci de viver, esqueci do que aprendi com ele: Faça pelos outros mais do que faz para si mesmo”. Daí em diante o filme vai se desenrolando e ainda no final consegue surpreender. A história é bem bacana, e Washington mostra que é um monstro na arte do cinema. Com isso fiquei imaginando essa frase antes de dormir após o filme. O nosso mundo realmente está carente desse “faça para os outros mais do que faz para si mesmo”. O egoísmo está em plena atividade, agora pouco mesmo, vendo o pgm fantástico um quadro com o filho do Fábio Jr, os caras da banda dele maltratando uma garota, e detalhe tudo isso de propósito(combinado). A TV mostra isso como se fosse interessante, o cara pedir um lanche e depois olhar na cara da menina e dizer que não foi o que ele pediu, mostrando que na posição dele, ele manda e ela obedece. Dias atrás lendo algumas mensagens no twiiter, me deparei com uma mensagem no mínimo interessante. “O negócio é ter sorte, você pode estudar a vida toda e no final ainda passar fome, lembre-se disso”. Vindo de alguém que é visto como influente não da pra entender o contexto da mensagem. Acredito que o mundo está caminho desse jeito pela ausência de humanidade, já não somos satisfeitos com o comum. Você precisa ter, e pra você conseguir ter ou ser, é capaz de qualquer coisa. Adolescentes que brigam na escola e colocam vídeos no youtube, onde está o conceito nisso? A última das crianças fazendo sexo num espécie de vídeo conferência se assim podemos denominar, demonstrando total falta de consciência sobre a utilização da ferramenta aliada à abordagem da TV que mostrou o caso como comum. E os jogadores do Santos? No mesmo sistema de exibir vídeos em tempo real com aquele comportamento juvenil do jogador, dizendo que o que ele dava para cachorro dele comer era o que um possível fã ou não ganhava de salário ao ser criticado pelo mesmo. O que estamos assistindo é a autodestruição dos sentimentos de companheirismo que eram pra existir entre nós, hoje é comum ouvir dizer por aí, humildade é coisa de ótario. Bom, assista ao filme, acredito que vá gostar e tirar uma grande lição do mesmo. Muitas vezes nos vemos por cima de tudo e todos que somos melhores que não falhamos que não erramos e esperamos esse dia chegar pra sermos humanos de verdade. O nosso dia vai chegar, acredite. Enquanto isso, assistimos os comercias do dia dos Pais com o famoso conselho. Dê um abraço no teu pai HOJE. Afinal, por que abraçar seu Pai todos os dias se já tem um dia pra abraça-lo?

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

E o Macaco.




Pense, quem é mais inteligente, o homem ou o macaco?

p.s. lembre-se, os macacos ainda não disseram nada, já os homens ...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Gonzaguinha - O que é, o que é?

E a vida!
E a vida o que é?
Diga lá, meu irmão
Ela é a batida
De um coração
Ela é uma doce ilusão
Hê! Hô!...

E a vida
Ela é maravilha
Ou é sofrimento?
Ela é alegria
Ou lamento?
O que é? O que é?
Meu irmão...

Há quem fale
Que a vida da gente
É um nada no mundo
É uma gota, é um tempo
Que nem dá um segundo...

Há quem fale
Que é um divino
Mistério profundo
É o sopro do criador
Numa atitude repleta de amor...

Você diz que é luxo e prazer
Ele diz que a vida é viver
Ela diz que melhor é morrer
Pois amada não é
E o verbo é sofrer...

Eu só sei que confio na moça
E na moça eu ponho a força da fé
Somos nós que fazemos a vida
Como der, ou puder, ou quiser...

Sempre desejada
Por mais que esteja errada
Ninguém quer a morte
Só saúde e sorte...

E a pergunta roda
E a cabeça agita
Eu fico com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita
E é bonita...

Viver!
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz...

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita...

Sentido da vida


Já parou pra pensar nisso um pouquinho, ou não tem tempo nem pra pensar no porque e pra que você existe? Raramente pensamos no porque existimos, porque somos treinados diariamente para não pararmos pra pensar nessas coisas, já percebeu isso? O questionamento é simples; o que é viver bem atualmente? Acredito que se perguntar pra qualquer pessoa, a resposta de imediato vai ser bem clássica. Viver bem que é ter um bom trabalho, ganhar bastante dinheiro, morar numa casa boa, não precisar trabalhar muito, e viver de sombra e água fresca. Pensando bem pode até ser, mas veja, pode até ser. Depende muito de cada um, afinal a vida é apenas isso? Infelizmente tenho notado que viver bem virou sinônimo de riqueza, não existe um olhar mais amplo sobre a vida, temos um olhar pequeno diante de toda maravilha que é viver, existir. Não fazemos perguntas do tipo o que é viver de verdade, você se sente bem com você vive? O que falta pra que você se sinta realizado? O que vejo é a construção de ideias de que se você não tiver alguma coisa, você não é ninguém, você não é feliz. Tenho tido experiências maravilhosas em minha vida, que me fazem rever a cada momento tudo que faço e vou fazer. Nesse último final de semana voltando de viagem, dentro do carro batendo um papo com o motorista, uma senhora no banco de traz também conversava alegremente contato suas alegrias, histórias da sua vida. Eu observando atentamente o que ela dizia para o motorista, pois particularmente gosto de histórias de pessoas com mais idade, nada é tão magnífico do que ouvir alguém que realmente já bastante história pra contar. A senhora na sua mais simples linguagem e muita humilde sorrindo disse ao motorista; Fulano, eu estou tão feliz, depois de 40 anos eu voltei pra escola, eu aprendi a ler, agora eu leio tudo, achei que era tão difícil ler, hoje não, eu sei que é fácil e leio tudo. Não da pra explicar a felicidade e o orgulho que ela sentia em dizer que tinha aprendido ler. Diante disso fiquei pensando, tem tanta gente que não valoriza isso, saber ler. Eu diante de uma pessoa que estava em pleno entusiasmo por ter aprendido depois de tantos anos algo que pra gente que sabe não da e não vê sentido em acreditar que isso tem valor. Outra pessoa que também me ensina muito é minha querida mãe, mulher simples, daquelas que fala uma vez pra gente guardar pra vida inteira. Dias atrás, ela vendo TV, cheguei do trabalho vim direto pro quarto, ela levantou veio até meu quarto e disse; Meu filho saia um pouco, vai viver, fica ai enfiado nesse quarto, amanhã você morre e nem aproveitou a vida. Eu dei risada, foi muito engraçado ela falando aquilo. Aí ela continuou, falou um monte de coisa, resolvi sair, fui tomar um sorvete fazer qualquer outra coisa, sai da minha rotinha trabalho, PC, PC, trabalho. Voltando, ela sentada fumando seu cigarro, que eu odeio, mas mesmo assim ela ainda encontra argumentos pra que eu aceite o vício dela. Ela diz: "Deixa eu fumar, um dia eu vou morrer mesmo, então deixa a mãe morrer feliz, você gosta da mãe feliz, então a mãe é feliz fumando, me deixa". Não tem como brigar com ela, então ela continua ali fumando seu cigarrinho. Enquanto isso, meu tio passa pela rua numa felicidade sem explicação, ela diz; Dei 10 reais pro seu tio, olha a felicidade dele. Eis que ela fez uma observação das melhores. Como pode tá feliz com 10 reais, tanta gente que tem tanto dinheiro e não tá feliz. Não entendo isso, ele deve ser feliz né meu filho. Realmente esse deve ser o tal sentido da vida, ser feliz, pois daqui não vamos levar nada, afinal do que adianta ter tudo e não ser feliz? Então o sentido é aproveitar, viver de bem, pois na real mesmo que pareça estranho dizer, o sentido da vida é viver A VIDA.

Blog Music

Veja bem, tudo vai dar certo É só acreditar em quem Conhece o fim de perto Pra discenir cores vibrantes E enxergar o que não vi...