quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Blog Music

Na correria do dia a dia, nunca tenho tempo para ouvir música com calma. Então, aproveito sempre a madrugada. Como durmo mais tarde, aproveito para ouvir algum disco ou música específica. Aprecio o trabalho das bandas atuais, ouço com atenção, sempre aparece alguém com uma proposta bem bacana. Conferi o trabalho póstumo da Amy Winehouse, está muito bem feito, para quem gosta do gênero musical dela, é um prato cheio. Outro artista que continua um espetáculo é o Seal, esse cara é sensacional. Também está com um novo trabalho na praça, o Seal dispensa comentários, excelente. Quem também tem me encantado com seu trabalho, é o Bruno Mars, o cara é sem dúvidas o Príncipe da América. Talentosíssimo, brilhante.


Amy Winehouse - Valerie ('68 Version)

 

Seal - Wishing On A Star

 

 Bruno Mars - Grenade

 

O que está acontecendo com a música?



Acredito que todos gostem de música. Aliás, nunca conheci alguém que não gostasse de ouvir música. Será que existe alguém? Nesse mundo maluco não é de se duvidar, não é? A música consegue exprimir todos sentimentos. Noto que hoje a música tomou uma proporção além daquilo que foi imaginado um dia. Ficou popular, hoje “todos” fazem música, ela se transformou completamente em negócio. A música pode sim ser mais um produto para nós consumidores, mas não se pode perder o objetivo da música. Encantar, emocionar, ser forte, tocante, verdadeira e original. 


Com todo o aparato tecnológico disponível hoje, tornou fácil produzir música. Todas as semanas milhares de novas músicas surgem. Já não existe aquele capricho de antigamente. Tenho a impressão de que a qualidade foi deixada em segundo plano. O que vale é criar uma música chiclete para virar a próxima moda de alguma estação. A tecnologia também possibilitou o acesso às músicas com mais facilidade. Nesse ponto acredito sinceramente que o rádio perdeu muito do seu charme por conta dessa comodidade oferecida pela tecnologia. Antes, era pelo rádio que ouvíamos os lançamentos. Demorava um bom tempo para o disco chegar às lojas. Já hoje em instantes de pesquisa e alguns cliques, lá está à música no seu HD. Aquela ânsia pela descoberta de um trabalho inédito já não existe mais.


 Chamar tudo que toca por aí de música é muito triste. A música é uma arte e cada vez mais está ficando simplório. Algumas pessoas sempre dizem que esse discurso é infundado. É bem simples, vou propor um desafio. Tente se lembrar de dez músicas de 2000 para 2005, mas tente se lembrar do ano exato. Agora volte até os anos 80 e faça o mesmo e note a diferença. Pode parecer um papo saudosista, mas não é, o fato é que tudo está indo rápido demais. A música perdeu o sabor, apenas quer a massa, quer ser consumida não pelo sabor, mas pela maior quantidade de pessoas. Não temos tempo de avaliar, de ouvir com calma, de saborear o trabalho. O disco já vem com as músicas que devem ser (ouvidas) trabalhadas e, em questão de meses um novo disco chega às lojas. O valor maior está na quantidade e não na qualidade. As letras das músicas mais tocadas no Brasil são sempre de conteúdo com forte apelo sexual, até o duplo sentido perdeu espaço, pois vale ser direto e descarado. Não vejo vantagem, pois isso faz com que à música diante de sua grandeza, sentido e poder seja desvalorizada por ser aceita de qualquer forma.




"A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende."
                                                                                          Schopenhauer

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Blog Music

Essa música é muito boa. Consegue me transportar para meu tempo de adolescente.

Paulo de Faria





Minha terrinha querida completa 73 anos de emancipação política hoje. Interior do interior de São Paulo. Digo assim porque costumo ver nos noticiários que uma cidade do interior, geralmente tem por volta de vinte mil habitantes, e como Paulo de Faria tem por volta de oito mil, me parece mais justo dizer interior do interior. Embora o interior seja injustamente castigado por comentários maldosos, creio que seja um lugar bom pra viver. No que diz respeito aos jovens, de fato, toda cidade de interior não oferece infra-estrutura para acolher todos após seus estudos. Faltam sim milhares de coisas que uma cidade de grande porte oferece.  Daí, o jeito é buscar oportunidade em outros lugares. 


Paulo de Faria é um lugar de gente batalhadora, lugar onde nasci e cresci, e tenho muito orgulho. Lugar de pessoas inteligentíssimas. Terra produtiva, berço do rodeio em touros. Sim, mesmo aqueles que não conhecem Paulo de Faria, devem saber que quando se fala em tradição no rodeio, Paulo de Faria fica atrás apenas da cidade de Barretos. Já não temos o prestígio de antes nesse circuito que só cresceu de lá pra cá. Circula um mito de que no interior as pessoas são menos inteligentes, que aqui não temos o conhecimento que o pessoal da capital tem. 


Aí você pode pensar: Exagero seu. 


Digo de coração que não é, e direi o porquê. Certa vez comentei com uma conhecida que trabalho na área da comunicação, especificamente no rádio. Ela perguntou: Mas como você fala? Eu disse que falava como qualquer profissional fala no rádio. Ela então pediu para ouvir, pois acreditava que falávamos como caipiras, pois era daquela maneira que ela visualizava o interior. Para resumir, é como a visão que muitos americanos desinformados têm do Brasil. Continuando, no interior como é comum as pessoas se encontrarem com frequência, a tendência é que isso gere comentários alheios. Talvez esse mau costume que não é um mal de interior, seja o que mais deixe as pessoas irritadas. 


O que mais me incomoda no interior sem dúvidas é a política. Não vou aprofundar nesse tema para não perder tempo. Depois desse tempo todo sinceramente, gostaria de ter colaborado mais, ter oferecido mais naquilo que “suponho” conhecer. Ainda assim, entendo que existem milhares de pessoas que podem e estão colaborando para o progresso dessa cidade que amo de coração.  Aonde quer que eu esteja sempre terei orgulho de dizer de onde sou, pois foi aqui que aprendi da forma mais fácil e na maioria das vezes difícil, o caminho que devo trilhar para alcançar meus objetivos. 



Genial?

Imagine um avião com problema no trem de aterrissagem dianteiro na hora de pousar. Nessa hora surge uma caminhonete que se põem à frente do avião e o ajuda no pouso. Acha impossível? Pois aconteceu, veja o vídeo abaixo.



Não me canso de dizer que a criatividade quando elevada surpreende. Muitas vezes penso que deve ser uma mistura de ousadia com a ideia do impossível. O vídeo se trata da nova peça publicitária da NISSAN, que está divulgando o mais novo modelo da caminhonete Frontier 2012.  Sejamos sinceros, ficou sensacional.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Até onde vai?

Já tem alguns dias que não escrevo aqui no nosso espaço. Hoje, gostaria de falar sobre um tema que está em voga, liberdade de expressão. Nunca foi tão fácil expor, emitir uma opinião sobre qualquer tema com a ascensão das redes sociais. E isto é fascinante, basta olhar o passado e vamos perceber que, vivíamos em uma época onde a comunicação tinha somente uma mão. Éramos basicamente receptores. Já hoje, com toda tecnologia disponível, recebemos, transmitimos, formatamos e opinamos. Vivemos em plena à era da informação e, devemos transformá-la em conhecimento e construir novos meios, soluções e alternativas para melhorar o meio ao qual pertencemos. Porém, noto que, estamos utilizando está grande rede que deve ser trabalhada e explorada de forma coletiva, de forma particular e várias vezes, em benefício de um pequeno grupo que visa apenas favorecer suas ambições. É visível na maior parte das publicações nas redes sociais, o despreparo da maioria no que diz respeito à opinião. Opinar sobre qualquer tema que esteja em questão necessita que a pessoa no mínimo leia o que foi posto em discussão. Mas digo ler com atenção para não dar furada. Na maioria das discussões que às vezes acompanho no facebook e até no Orkut, são sempre por dois motivos. Falta de conhecimento sobre o tema posto para apreciação, ou puro egoísmo. A maioria não admite ter sua fala minimizada e muito menos desqualificada, essa é uma grande verdade, acredite. Os debates e discussões de hoje, já não são para chegar a alguma conclusão, onde o conjunto de ideias forma um melhor entendimento sobre uma questão. O lema na maior parte dos casos é: Quem sabe mais e quem é o melhor. Essa liberdade alinhada ao despreparo de alguns egoístas que se apóiam no livre direito de se expressar e utilizam o argumento de que à liberdade não pode ser assistida, virou um caos. Sinceramente, nenhum tipo de censura é legal ou positiva. Mas, estão confundindo liberdade de se expressar com direito de ridicularizar, um vale tudo. Como no caso do humor, que gerou um grande debate acerca do direito de expressão sem limites. E o respeito? E o bom senso? Não cabem como instrumento de avaliação? O argumento utilizado é que estão cerceando um direito que pertence à sociedade. Em alguns casos não existe essa restrição toda que foi colocada, já em outros, cabe sim assistir e orientar para não desandar como tem acontecido. Aquele moço do CQC foi infeliz nos dizeres em rede nacional. Classificar aquilo de piada é uma ofensa ao humor para seu objetivo. A última que está circulando segue a linha mais ridícula e escrota que já pude conferir. Está circulando um cartão, onde o livre direito de se expressar diz na imagem que a filha do Roberto Justo (aquele apresentador mesmo), para quem não sabe ele tem uma filha com uma síndrome (pesquise para mais detalhes), enfim, mostra uma foto do casal com a filha com os dizeres que a menina veio com defeito (sim, é pra rir, é uma piada). Com isso não quero dizer que deve haver censura, que devem limitar nossos direitos, até porque eu estaria sendo contra o meu próprio direito de expor minha opinião sobre este tema. Penso que nós devemos nos assistir e nos orientar, pois não precisamos de leis (babás) que nos digam o que é certo, errado ou até onde podemos ir. Já estamos crescidos, precisamos usar mais a consciência, o bom senso e principalmente respeitar o próximo, só assim estaremos no rumo certo.    

Laerte-se

Há muito já havia visto a divulgação do documentário da Laerte. Num primeiro instante não me chamou muito atenção por compreender o conte...